SHOPPING CART

10 dicas para não deixar o Twitter te enlouquecer

ct

Recebi uma sugestão pelo twitter para ler um texto que ensinava a lidar com a compulsão de estar na rede social. Depois de ler e concordar com grande parte do texto, resolvi incrementar com algumas observações adaptando para a rotina do que vem acontecendo no mundinho web gospel. Este texto está publicado no site www.osinvicioneiros.com.br e foi escrito por José Márcio – Editor Chefe dos Invicioneiros e palpiteiro no Dicas Blogger. Apaixonado por Música, informática, Twitter, Blogs e Futebol! Saudosista dos anos 80. Vamos ao texto então, que como já expliquei, sofreu pequenos comentários e intervenções do Observatório Cristão, devidamente identificados.

________________________________________________________________________________________________________________________________

Segundo o site Mestreseo as redes sociais são formas de compartilhamento de informações, gostos e idéias entre usuários com os mesmos gostos e estilos. Assim, um grupo de discussão é composto por indivíduos que possuem identidades semelhantes.

Conforme a definição acima, as redes sociais, mormente no que tange ao twitter, foram criadas balizadas na perspectiva de interação intragrupos e como ferramenta de discussão. É importante salientar que a palavra discussão utilizada aqui possui a conotação de debate em que cada participante defende pontos de vista opostos, já que invariavelmente pessoas confundem discussão com entrevero.

Pausa para comentário: é impressionante como temos visto debates mais do que acalorados no Twitter! Tem horas em que aquilo mais parece um Ultimate Fight do que uma rede social! Tem também muitos tuiteiros incorporados pelo “espírito de confusão” provocando artistas, donas de gravadoras, lideranças e afins. Entendo que se não for para seguir uma pessoa porque se identifica com ela, então é melhor não ficar no grupo de seguidores sendo um perseguidor!

Em que pese o sucesso de outras redes sociais como o Orkut, Facebook, LinkedIn, etc. O twitter logo caiu no gosto do público brasileiro, ganhando rápida ascendência perante um público bem específico.

De acordo com uma pesquisa realizada pela agência Bullet, a maioria (61%) dos usuários do Twitter no Brasil é composta por homens na faixa de 21 a 30 anos, solteiros, localizados nos estados São Paulo e Rio de Janeiro. Na maior parte, são pessoas com ensino superior completo e renda mensal compreendida entre R$ 1.000,00 e R$ 5.000,00. (Wikipédia)

Mesmo ainda perdendo em número de usuários para o Orkut, é inegável o crescimento do Twitter no Brasil. Segundo a comScore, Indonésia e Brasil são os dois países que puxam o crescimento do Twitter, que bateu a marca de 109% entre junho de 2009 e junho deste ano.

Pois bem, diante desse crescimento vertiginoso é comum que o Twitter atraia cada vez mais seguidores em busca dos encantos proporcionados pelo microblog. Ocorre que a grande maioria que ingressa neste serviço não tem sequer noção sobre o funcionamento desta ferramenta de interação, o que é até certo ponto normal, pois muitos ainda possuem resistência ao serviço.

Já outros foram atraídos pelo fascínio do passarinho azul e já não conseguem levar uma vida normal sem a companhia do mesmo.

Se você é daqueles que quando liga o computador a primeira coisa que faz e acessar o twitter para ver as novidades; enquanto não dorme fica pensando em possíveis tweets para o dia seguinte; vasculha todos os sites de notícias na ânsia de ser o 1º a tuitar alguma novidade bombástica; confere todo dia a lista de seguidores para ver se todos continuam lá e entra em profunda depressão quando perde algum; tuita algo e fica conferindo se alguém irá dar RT; vive vasculhando e seguindo perfis com bom número de followers, mesmo sem saber de quem se trata. Cuidado! Você possui indícios que te fazem uma vítima em potencial da síndrome de dependência twitesca.

A síndrome de dependência twitesca,  é um mal que normalmente acomete as pessoas que se enquadram nas características supracitadas ou outras como essas aqui enumeradas, e, pelos menos por enquanto, não existe um tratamento comprovadamente eficaz.

Para minimizar um pouco o efeito dessa neurose, passarei a enumerar algumas medidas que, longe de possuírem comprovação científica, tem o condão apenas de tentar contribuir para que você não se definhe e entre em depressão profunda por não conseguir a atenção desejada:

1 – Antes de ingressar no twitter, pesquise sobre o serviço, dependendo das suas intenções é melhor nem começar;

2 – Ao entrar não entre em desespero para conseguir muitos seguidores, eu tenho minha conta a mais de 1 ano e ainda não cheguei a 500. Obter seguidores em massa, somente o uso de script pode te proporcionar, e isso, além de não ser bem visto, está sendo seriamente combatido pelos criadores da ferramenta;

Insert do Observatório: o nome já diz tudo! O conceito de followers é de pessoas que têm afinidade contigo. Então de que adianta ser seguido por milhares de pessoas que não te conhecem e sequer têm o mesmo interesse nos seus assuntos? Apelar para programas para conseguir seguidores

3 – Estude os perfis das pessoas que deseja seguir, não siga apenas porque determinada pessoa possui muitos seguidores, pode ser que o estilo não coadune com suas intenções;

4 – Faça inserções que você julgue pertinentes, não queira tuitar apenas para se fazer presente, flodar a timeline alheia é um convite ao unfollow.

Insert #2 do Observatório: no mundinho gospel temos nos deparado com pérolas das celebridades “tuitescas” como “acordei, estou indo ao banheiro” … “agora almoçando com minha tia que veio de Mococa passar dias comigo” … “fritando ovos” … “pegando busão para ir pro trabalho” … sinceramente, esses tipos de comentários devem ser evitados. É claro que os fãs querem saber de tudo de seu artista preferido, mas não dá para exagerar né?

5 – O twitter é uma ferramenta de interação, não force a barra para ser seguido, se você fizer participações inteligentes, logo será notado e seguido;

Insert #3 Observatório: outra coisa que é bem chato nas redes sociais são os “íntimos desconhecidos”, aqueles “amigos” que você nunca viu sequer mais gordo ou mais magro que em função da acessibilidade que as redes sociais permitem se acha tão próximo a ponto de ‘abrir sua geladeira e sentar-se contigo no sofá’.

6 – O envio excessivo de links torna sua conta antipática, procure intercalar esse procedimento com opiniões sensatas;

7 – Não seja intrometido, se tem uma opinião sobre algum assunto em voga apresente-a, se não, apenas observe;

Insert  #4 do Observatório: Nunca force a barra para entrar na conversa entre 2 pessoas se você não for convidado. Não seja um JACI no twitter! Sabe o que é um JACI, não, não é a JACI VELASQUEZ, é o JACI METEU, um sujeito super chato e intrometido!

8 – Entrar em atrito com pessoas famosas para conseguir atenção é um ótimo caminho para o ostracismo;

Dica para não se estressar. Essa aprendi com uma amiga tuiteira nervosa. Antes de descer a borduna naquele chato implicante, dê uma olhada na quantidade de seguidores que ele possui. Se não for alguém realmente formador de opinião, opte por não responder e criar uma polêmica onde você será um holofote para o estrelato dele.

9 – O tweet procedido de “RT por favor”, somente será bem aceito se for por uma causa comprovadamente genérica, se for em benefício próprio, é um tiro no pé;

10 – Não se martirize por um tweet que você pensou que iria receber inúmeros RT’s e passou despercebido, acontece com todo mundo.

Enfim, estão aí algumas “sugestões” que julgo pertinentes para tentar salvar algumas almas caridosas da loucura ON line.

________________________________________________________________________________________________________________________________

8 Comments

Deixe uma resposta