A destruição do Vale de Sidim

John Martin, "A Destruição de Sodoma e Gomorra", 1852

Sodoma e Gomorra são, de acordo com a Bíblia judaico-cristã, duas cidades que teriam sido destruídas por Deus com fogo e enxofre descido do céu. Segundo o relato bíblico, as cidades e os seus habitantes foram destruídos por Deus devido à prática de atos imorais. “Então o Senhor fez chover enxofre e fogo, dos céus, sobre Sodoma e Gomorra; E destruiu aquelas cidades e toda aquela campina, e todos os moradores daquelas cidades, e o que nascia da terra.” GN 19:24-25

Na verdade, eram cinco cidades-estado localizadas no Vale de Sidim, próximas ao Mar Morto, cujos nomes eram: Sodoma, Gomorra, Admá, Zebolim e Zoar. O Vale de Sidim (Vale dos Campos) era descrito como um lugar paradisíaco. As quatro cidades anteriores foram destruídas e Zoar sobreviveu ao desastre. E segundo a bíblia, o motivo da destruição das cidades de Sodoma e Gomorra foram a perversidade de seus habitantes, a imoralidade e a desobediência ao Senhor.

Por longo tempo a comunidade científica negou a existência de Sodoma e Gomorra, até o aparecimento de fatos que comprovassem essa evidência. Em 1924 descobriram-se ruínas do que poderia ser Sodoma e Gomorra, porém sem estudos de escavações. Mas em 1967 arqueólogos descobriram túmulos a 15 metros de profundidade, madeiras, perfumes e ossos humanos.

A ciência descobriu indícios das cidades de Sodoma e Gomorra e através de estudos que vem sendo realizados pela arqueologia e outras ciências, esta sendo analisada a possibilidade de essas cidades terem sido destruídas por uma chuva de asteróides incandescentes, ou seja, Sodoma e Gomorra foram destruídas por uma saraivada de fogo como diz a bíblia.

A trajetória de um meteorito e sua posterior explosão em 3123 a.C. poderia explicar o fato bíblico da destruição das cidades de Sodoma e Gomorra em meio a uma chuva de fogo e enxofre, segundo cientistas da Universidade de Bristol. De acordo com um bloco de argila conhecido como “Planisfério”, encontrado por Henry Layard em meados do século 19 o qual permanecia como um mistério para os acadêmicos descobriu-se que se trata do testemunho feito por um astrônomo sumério sobre a passagem de um asteróide – que pode ter causado a destruição das cidades de Sodoma e Gomorra.

Segundo Mark Hempsell pelo tamanho e pela rota do objeto, é possível que este se tratasse de um asteróide tipo Aten que teria se chocado contra os Alpes austríacos, na região de Köfels, onde há indícios de um grande deslizamento de terra. O asteróide não deixou cratera que pudesse evidenciar uma explosão. Isso se explica, segundo os especialistas, porque o asteróide teria voado próximo ao chão, deixando um rastro de destruição por conta de ondas supersônicas, e se chocado contra a Terra em um impacto cataclísmico. Não há menção de uma cratéra em Köfels, o que pode também sugerir uma explosão no ar.

E porque teria acontecido no somente no Vale de Sidim? A resposta para essa questão pode estar encerrada no que se refere ao ângulo de entrada do asteróide. Caso ele tenha se chocado com a Terra, em alguma montanha, teria causado deslizamentos o que não deixaria sinais de cratera, mas de deslizamento de terras. Parte dos escombros do asteróide, juntamente com pedras, teria sido lançada a grandes alturas, acompanhando sua trajetória, sendo o ponto de entrada dos escombros a região de Sidim, sobre as cidades destruídas. Caso tenha explodido no ar, parte do seu material pode ter ficado retido entre as montanhas e parte ter sido lançada no espaço acompanhando sua trajetória e descendo sobre o Vale de Sidim em arco. Segundo os pesquisadores, o rastro do asteróide teria causado uma bola de fogo com temperaturas de até 400ºC e teria devastado uma área de aproximadamente um milhão de quilômetros quadrados

No entanto, essa não é a única explicação científica para o ocorrido.  É possível que um grande terremoto tenha destruído estas cidades e, provocado uma mudança no nível das terras ocupadas por elas, quando suas ruínas foram inundadas pelas águas do mar. Acredita-se que a região do Mar Morto abrigava um vulcão com intensa atividade e toda a região era rica em gás natural e petróleo, essa combinação propiciou um ambiente com forte presença de fogo e enxofre, isso numa área cercada de terremotos, ou seja, a população estava numa bomba relógio prestes a explodir. Os geólogos canadenses Grahan Harris e Anthony Berardow, descobriram que a Península de Lisan, era parte oriental do Mar Morto, e teria sido o epicentro de um terremoto de escala maior que seis na escala Richter ocorrido há aproximadamente no mesmo período que teria sido a destruição de Sodoma e Gomorra. Assim, tudo teria começado com um tremor de terra que abrira buracos de gás natural e o enxofre depositado borbulhou na superfície, desenrolando assim uma reação em cadeia onde todas as substâncias pegaram fogo.  Segundo estes geólogos, o terremoto provocou efeitos que levou ao engolimento das construções e os restos de Sodoma e Gomorra estariam debaixo das águas do Mar Morto.

E o fato de a mulher de Ló ter se tornado uma estátua de sal? Fenômenos naturais podem explicar o fato da seguinte forma: No caso em questão, ao ir olhar o que se passava ou ter ficado para trás, a esposa de Ló pode ter sido instantaneamente envolvida por algo semelhante a uma nuvem piroclástica (resultado devastador de algumas erupções vulcânicas. Constituem corpos fluidos, velozes, compostos de gás quente e piroclastos (cinza e pedra) que podem viajar com velocidade de até 160 km/h. O gás está normalmente numa temperatura entre 300-800 graus Celsius) gerada pela queda próxima a ela de uma rocha derretida resultante da entrada de escombros. O fenômeno teria envolvido repentinamente o corpo da mulher e a tornaram uma estátua. Ao verem o corpo da mulher naquela forma, Ló e suas filhas fizeram uma analogia com as formações de sal do Mar Morto, as quais se assemelham a estátuas, daí a alusão a estátua de sal

Mas resta a pergunta: por que Zoar teria sido poupada?A resposta pode estar relacionada ao ângulo de entrada do asteróide, parece haver na zona de entrada do esteróide uma linha nas cidades destruídas, sendo que Zoar estava bem aquém desta linha. Daí a razão de ter sido poupada

Atentando para o fato cientifico, não quer dizer que as provas científicas refutariam a história bíblica, a ciência apenas pretende provar que o fato descrito pela bíblia independente de Deus ou não, verdadeiramente ocorreu. E por que não dizer que Deus usou os fenômenos naturais, sendo ele um esteróide ou um terremoto, para destruir o pecado e a perversidade. Cito uma frase de Rabi Bradley Shavit Artson: “A verdade das Escrituras são para a vida, e isso está acima das verdades meramente humanas.”

____________________________________________

Ana Lopes

21 Comments

Deixe uma resposta