Home Eventos Casting Crowns é o grande vencedor do Dove Awards 2010

Casting Crowns é o grande vencedor do Dove Awards 2010

10 593
No dia 21 de abril foi realizada a 41ª edição do maior prêmio de música gospel dos Estados Unidos, o Dove Awards. O evento aconteceu no Grand Ole Opry House, Nashville, Tennessee e premiou os maiores destaques da música gospel norteamericana em diferentes categorias.
E o grande vencedor deste ano foi a Banda Casting Crowns que conquistou o principal prêmio em disputa, na categoria “Artista do Ano”.  A banda faz parte do cast da gravadora Provident, que integra o selo gospel da multinacional Sony Music. Além de Casting Crows, outros artistas Provident também foram premiados no Dove Awards 2010 em diversas categorias.
Na categoria “Cantor do Ano” o vencedor foi Brandon Heath. Em outra importante categoria, “Canção do Ano”, o vencedor foi a banda Tenth Avenue North com a música “By Your Side”. Ainda do cast Sony Music/Provident foram premiados a banda Red como “Melhor Álbum de Rock” com o CD “Inocence & Instinct” e, ainda Jars of Clay como “Melhor Álbum Pop Contemporâneo” com o projeto “The Long Fall Back to Earth”.
Todos estes projetos serão lançados em breve pela Sony Music no Brasil que passa a distribuir com exclusividade no país todo o catálogo da gravadora gospel norteamericana Provident.
Fonte: Sony Music Gospel

No dia 21 de abril foi realizada a 41ª edição do maior prêmio de música gospel dos Estados Unidos, o Dove Awards. O evento aconteceu no Grand Ole Opry House, Nashville, Tennessee e premiou os maiores destaques da música gospel norteamericana em diferentes categorias.

E o grande vencedor deste ano foi a Banda Casting Crowns que conquistou o principal prêmio em disputa, na categoria “Artista do Ano”.  A banda faz parte do cast da gravadora Provident, que integra o selo gospel da multinacional Sony Music. Além de Casting Crows, outros artistas Provident também foram premiados no Dove Awards 2010 em diversas categorias.

Na categoria “Cantor do Ano” o vencedor foi Brandon Heath. Em outra importante categoria, “Canção do Ano”, o vencedor foi a banda Tenth Avenue North com a música “By Your Side”. Ainda do cast Sony Music/Provident foram premiados a banda Red como “Melhor Álbum de Rock” com o CD “Inocence & Instinct” e, ainda Jars of Clay como “Melhor Álbum Pop Contemporâneo” com o projeto “The Long Fall Back to Earth”.

Todos estes projetos serão lançados em breve pela Sony Music no Brasil que passa a distribuir com exclusividade no país todo o catálogo da gravadora gospel norteamericana Provident.

Fonte: Sony Music Gospel

  • Pingback: vladymi

  • Pingback: Mauricio Soares

  • Pingback: Lex Zyon

  • Pingback: Música Gospel

  • Pingback: Monique Carvalho

  • Pingback: Karina

  • filipeflexa

    Jóia esse post, muito legal ouvir alguém cristão falando de assuntos de design Wollner e coisas afins. E ainda que nos alegre não fico muito suspreso com a reação dos caras do Resgate. Eles tão aí na cena e não é por acaso. Espero que esse projeto seja bem sucedido e cumpra o seu papel.

  • psilva

    Carlos… bom meu velho????

    eu te confesso que numa primeira olhada eu num curti muito o projeto do resgate não, mas não vou fazer juizo de valor porque eu ainda não vi o projeto todo, mas a capa não me agradou. bom, isso é bem um parentese…

    velho, o que você comentou o fato do Wollner ter tantos logotipos rejeitados, eu sinceramente acho bobagem da maneira que você colocou, porque independente se é o Wollner, o Paul Hand, o Luballin, o Tischchold, o Acher, cara, a gente sempre vai passar pelo crivo do cliente, ou aprovador como você chamou aí. E isso tem menos a ver com conservadorismo que com "alfabetização" visual e estética de quem tá analisando/aprovando o trabalho. E em qualquer lugar do mundo ainda mais quando o cliente não é da área de comunicação/artes, dificulta ainda mas o nosso processo, porque liberdade de criação é um conceito que passa longe da cabeça dos caras.
    Outra coisa, quanto mais tempo de mercado, mais trabalhos rejeitados, porque cliente fura job toda hora… é o pai querendo opinar, aí chama o filho publicitário, a sobrinha que estuda mkt e esposa dona de boutique pra falar o que achou do seu trabalho…

    Discrodo de novo quando você coloca após fazer um breve "release" da banda que "Como Bispos e depois de vinte anos nessa longa estrada, teriam todos os motivos para apresentar posições conservadoras ou retrógradas…" Acho que você tava falando de outro Resgate.. sério. Talvez nunca tenha ido a um show dos caras ou mesmo ouvido seus cd´s, prestado atenção nas letras rsrsrs… cara, o resgate sempre foi a banda mais "avant garde" do rock cristão no brasil, em idéias, conceitos, arranjos… por isso me pego meio surpreso com a forma que você colocou o fato de tantos anos de estrada e o fato de serem bispos…

    mas é isso cara, ansioso aí pra dar uma conferida em outros trampos seus…

    seu colega de profissão, [psilva]!

    um abraço.

    • http://baclanova.wordpress.com Carlos André Gomes

      PSilva,

      Obrigado por escrever.

      Acho que vc não entendeu muito bem o que escrevi, mas em respeito aos nomes do Wollner e do Paul Hand, vou continuar minha resposta.
      Em resumo, vc não gostou, acha bobagem outra coisa, e discorda de uma terceira.

      Entendi. : )

      Por partes:

      Alfabetização é um termo preconceituoso que eu não usaria.
      Os valores são os deles, cada um na sua.
      Alguns têm cultura, outros não.

      Conheço o Resgate.
      E insisto que, como Bispos, eles poderiam sim contar esta história que sugeri.
      Talvez vc não esteja familiarizado com o “Real World” do mercado fonográfico, se estivesse, certamente entenderia minhas colocações.

      E sobre você não ter gostado, acho perfeitamente normal.

      Antes de sair, quero deixar uma historinha que ouvi num programa de tv e que bem ilustra esta nossa conversa.

      Certa vez houve uma exibição de um filme sobre Glauber Rocha e o diretor resolveu chamar colegas pra a avant-premiere.

      Ao final, um reporter perguntou a diversos deles o que tinham achado do filme.

      Em geral, a resposta foi a mesma “eu achei bom, mas se o filme fosse meu, eu faria assim e assim”.

      O repórter resolveu contar ao diretor que nenhum dos convidados, diretores como ele, haviam aprovado o trabalho.

      Foi aí que o autor saiu-se com a resposta:

      “O problema é que eu os chamei pra ver o filme que eu fiz. E cada um deles quer ver o filme que eles fariam.”

      Apareça outras vezes!
      Forte abraço!

  • Flávia

    Olá Carlos,

    Não conheço seu trabalho (ainda), mas amei a capa do CD do Resgate.
    Já tinha gostado muito e agora lendo este seu post, admiro ainda mais.
    Vc também não poderia ter sido mais feliz na forma como descreveu o Resgate.
    Sou fã deles há muito tempo e tudo isso que vc falou fez juz ao que eles são “cabeças formidáveis, conhecedores do que acontece no mundo em todas as épocas, cheios de vigor criativo, e capazes de entender e optar pelo novo, sem parar no tempo ou se deixar vencer pelo conformismo sem risco.”
    …não é a toa que os chamamos de “A melhor Banda Gospel do Planeta”.

    Bjs

    Flávia (@fayves)