Home Livros

Nesta semana teremos a primeira edição da FIC, também conhecida como Feira Internacional Cristã. Promovida pela Geo Eventos este evento pretende reunir boa parte do segmento gospel em diversas áreas de negócios como editoras, gravadoras, confecções, entre outros segmentos. E mais uma vez, mantendo a tradição dos últimos 12 anos, terei a mesopotâmica tarefa de participar deste tipo de evento.

No ano passado publicamos algumas dicas para os jovens artistas que pretendiam aproveitar o evento, neste caso, a Expo Cristã. Aquele post foi um dos mais comentados junto aos 66 leitores do blog e, serviu como manual de conduta para muitos postulantes ao estrelato presentes à feira. Como sei que boa parte dos leitores não costuma esmiuçar meus antigos textos aqui publicados, irei autoplagiar-me a partir de agora, relembrando algumas dicas e atualizando com outras informações.

Como a FIC está programada para apenas 4 dias, contra os 6 anteriores da ExpoCristã, o ideal é que você esteja pela feira em pelo menos dois dias. Imaginando que o primeiro dia é dedicado à abertura do evento, ambientação ao clima da feira e para alguns últimos ajustes, prefira visitar a FIC na quinta e sexta-feira. Vale ressaltar que sábado é dedicado ao público, assim como a sexta-feira, e portanto, não é dia muito agradável e perfeito para se trafegar nos corredores. Se você pretende fazer um tour pelas mídias e gravadoras presentes, então opte prioritariamente para a quinta e sexta-feiras. Talvez a própria quarta ainda seja interessante, mas definitivamente fuja do sábado!

Por falar em tour, uma figura cada vez mais freqüente em feiras como esta é o ‘divulgador de mídia’, que nada mais é do que um profissional com bons contatos, muita disposição e tremenda cara de pau para conseguir entrevistas, flashes, contatos e reuniões para seu cast. Não adiantará muito caprichar no seu visual, no material de apresentação e nos sorrisos pelos corredores da feira, se você não tiver um personal divulgador capaz de agendar os horários para aquela entrevista nas TVs, sites e mídias em geral. Mas atenção!!!!! Muito cuidado na contratação deste profissional para que você não caia numa furada. Antes de mais nada, confira se este profissional realmente tem bons contatos no meio e, principalmente se este, tem uma boa ficha de trabalhos prestados! Muita atenção com quem você estará andando pela feira, porque infelizmente temos pessoas com filme queimadíssimo (expressão antiga né?) e o simples ‘andar ao lado’ acabará respingando negativamente sobre sua imagem. Fuja dos ‘vendedores de ilusão’ que prometem mundos e fundos e no fim simplesmente não entregam o prometido! Fuja também dos ‘despachantes’, gente que promete te colocar frente à frente com o diretor-top-supremo-sabe-tudo-plus-size-massaranduba-uhlálá-expert-mor-da-música-gospel … saiba que em eventos como este, boa parte dos executivos das gravadoras está presente e completamente acessível (sempre já exceções).

Sobre essa questão dos despachantes … acho que há umas 2 ou 3 Expo … comecei a reparar que um determinado rapaz, entrava e saía de meu stand num ritmo frenético e a cada nova visita, este fazia questão de me apresentar um determinado artista. Como sempre faço, parava minha atividade e cumprimentava as pessoas, conversava um pouco, recebia os CDs … só que estas visitas tornaram-se tão freqüentes que resolvi pesquisar. E para minha surpresa, descobri que o rapaz estava ganhando 150 reais para cada pessoa que colocava em minha frente! Que absurdo! Se eu soubesse disso, receberia todos por muito menos, talvez uns 50 reais … (risos). De verdade, se você quer entregar um CD, tirar uma foto, até mesmo bater um papo, por favor, é só chegar … nada de utilizar dos serviços dos despachantes!

É importante que você organize um kit de trabalho na FIC. Nada de camisetas, clipping de matérias que saíram nos jornais de Votuporanga, fotos de sua participação no show do Thalles (na verdade, uma das 56 atrações que antecederam ao show principal), caixa de bombons, … , nada disso! Apenas tenha em mãos 1 CD promocional, 1 DVD de clipes, 1 cartão postal com seus contatos atualizados. Nada além disso! Em termos de quantidades, imagino que 100 CDs, 30 DVDs e 500 postais são mais do que suficientes. Não caia no erro de sair distribuindo seu CD a qualquer um que apareça em sua frente! Valorize seu trabalho e apenas presenteie quem realmente poderá aproveitar posteriormente aquele conteúdo.

Como esta é a primeira edição, não sei bem como será o andamento das atividades das mídias presentes. Imagino que sigam o mesmo histórico dos anos anteriores da Expo. Uma estratégia que utilizamos com nossos artistas e que se mostrou bem positiva foi agendar antecipadamente as entrevistas com as mídias. Como temos um stand próprio, as mídias são incentivadas a visitar nosso espaço no horário pré-agendado. Apenas em última instância os artistas saem do stand para atender a alguma mídia. Imaginando que boa parte dos artistas independentes não investiram em ter um stand próprio, o ideal é que esta agenda seja realmente muito organizada. Mais um motivo para que você tenha a ajuda de um profissional de divulgação.

Não sei se teremos palcos na FIC. Pelo pouco que sei, apenas alguns artistas já estão programados para apresentações durante o evento. Caso tenham palcos para artistas independentes, procure informar-se sobre como participar deste espaço. Lembre-se que quanto mais oportunidades tiver para apresentar seu trabalho, aproveite cada instante. Imaginando que você conseguiu um espaço para um pocket show, por favor, entenda que ali é um palco em meio a uma feira lotada de gente com os mais diversos estilos e expectativas! A feira não é um culto! Portanto, aproveite seus 10 minutos de holofotes e apenas cante … apresente seu trabalho! Não precisa chorar, se derramar, pregar, gritar, fazer cara de crente … nada disso! Apenas exponha sua arte! Isso será mais do que suficiente!

Atenção ao visual! Não carregue muito nas vestimentas … nada muito montado para não ficar com cara de drag queen e nem muito usual para que ninguém pense que você errou o caminho da padaria e acabou no Center Norte. Bom senso! Pode usar óculos sem lentes barukianos, um penteado mais elaborado, uma roupa mais colorida, mas sempre muito cuidado para não errar a mão. Se estiver na dúvida, consulte a opinião de terceiros. Nada de salto 30 … procure usar um calçado mais confortável … afinal, são horas e horas desfilando pelo tapete … e vale lembrar que em anos anteriores, o IQ foi altíssimo! Ah, não sabe o que é o IQ, então vou explicar. IQ significa Índice de Queda, em outras palavras, a quantidade de pessoas que simplesmente se esborracharam de cara no chão ao tropeçar nos tapetes da feira.

Outra dica que fez muito sucesso no ano passado. Tenha em mãos sempre um estoque de chicletes … nada pior do que falar com 785 pessoas e descobrir apenas no fim do dia de que estava com hálito de jacaré de papo amarelo desde a abertura da feira. Se de repente você reparar que as pessoas só conversam contigo mantendo uma distância de 3 metros e 40 centímetros, então o sinal de alerta de hálito deve ser ativado!

Uma informação importante e que deve ser respeitada por todo artista que entrega seu material numa gravadora é que NUNCA, JAMAIS, EM TEMPO ALGUM, você deve ficar pressionando por uma resposta sobre a análise do material. Apenas entregue seu CD e corra para uma vigília, oração no monte ou coisas do tipo. Se seu produto chamar a atenção de alguma gravadora, não tenha dúvida, eles irão atrás de você! Já tive casos (não poucos) de artistas que entregaram seus CDs no primeiro dia de feira e já no dia seguinte retornaram ao stand para conferir se eu havia escutado alguma coisa. É muita falta de noção … não caia nesse erro!

Aproveite a FIC para conhecer pessoas. Também para aproximar-se das mídias, apresentar seu trabalho para alguma gravadora e principalmente para tentar entender as tendências do mercado fonográfico. Se você tiver condições, aproveite a FIC para ter contato com os últimos lançamentos do mercado. Invista em conhecimento e novas referências. Não estou ciente se haverá algum tipo de palestra ou debate com profissionais do mercado. Se houver algo do tipo, então esforce-se em participar destes eventos paralelos.

Se você estiver perambulando na FIC sem dar um único autógrafo ou sem ser reconhecido por ninguém, a dica é infalível e muito simples. Chame uns dois ou três amigos munidos de celulares ou máquinas fotográficas e no meio do corredor – tem que ser bem no meio mesmo! – comece a tirar fotos com eles como se estivesse atendendo a alguns fãs. Em poucos minutos outras pessoas se juntarão pedindo por uma foto ou CD autografado. Faça cara de bom menino, que está ali para atender às solicitações … coisa de artista mesmo … Agora, se mesmo assim ninguém se interessar em fotografar-se contigo, então o seu problema é bem mais sério!

Ainda nesta “estratégia de corredor”, jamais fique parado sozinho como que um retirante chegando na rodoviária do Tietê. Se você não tem nada programado, perambule pelos corredores com ‘ar de ocupado’ do tipo: acabei de dar uma entrevista e já estou seguindo para outro compromisso! Ócio em plena feira é sinal de completo ostracismo! Lembre-se que o Expo Center Norte é vizinho ao shopping, então, em vez de ficar criando teia de aranha, que tal um cineminha?

Outra dica importante é você estabelecer uma agenda de prioridades. De início tente encontrar todos os stands presentes que deverão ser prioritariamente visitados por você. Depois dos stands, procure informar-se sobre a presença das mídias, pois muitas não estarão presentes com espaço físico mas com equipes de trabalho. Mantenha-se informado sobre estas mídias, principalmente o período em que estarão pela FIC.

Se você é produtor de clipes, produtor musical, manager, divulgador, músico … não há nada mais importante no Brasil do que estar pelo menos um único dia em São Paulo na FIC. Como todo segmento de negócios, sempre há uma feira que reúne as principais empresas, players, profissionais da área. E neste momento, este evento é a FIC. Portanto, se você ainda não se programou para pintar por lá, então trate de reorganizar sua agenda e marque presença.

Caso o meu cansaço permita, nos próximos dias tentarei fazer uma análise da FIC dia a dia. Postarei minhas observações aqui no blog e espero que eu consiga juntar muito conteúdo de qualidade. Minha expectativa é de que tenhamos uma feira organizada, agradável e que a presença do público e lojistas seja intensa.

Boa FIC a todos, espero por todos vocês no stand da Sony Music e não se esqueçam do estoque de chicletes!

Mauricio Soares, veterano de feiras, congressos, festividades, publicitário, jornalista e alguém que tenta ouvir todos os CDs ganhos com máximo de carinho!

Pouco antes de partir deste mundo, o poeta e tradutor Haroldo de Campos (1929-2003) concedeu sua última entrevista para tv.

Lembro-me muito bem: mal se via a cabeça do velho, que aparecia entrincheirado atrás de pilhas e mais pilhas de livros, fotos, anotações e dicionários.

O ponto culminante do programa foi a explicação que o poeta deu para manter não apenas uma, mas duas salas caóticas, praticamente iguais, repletas de tanta papelada: “Estou traduzindo Homero e Goethe, e eles dois não se dão. Então, pra não me prejudicar, Goethe fica nesta sala e Homero na outra.”

Sim, um cara desses tinha mulher: mas isso é pra outro post.

O Observatório Cristão tem se tornado um guia prático para artistas iniciantes e mesmo nem tão novatos assim, mas que buscam dar um upgrade em suas carreiras dentro das novas tendências do mainstream. Recentemente tivemos a oportunidade de participar de um mega evento voltado para o mercado religioso no país e naquela oportunidade, pude conversar com muitas pessoas a respeito das tendências do mercado fonográfico, sobre as novidades tecnológicas, os avanços da mídia digital, o futuro da mídia física e entre tantos assuntos, um que obteve mais destaque e se tornou bastante recorrente foi “o que devo priorizar para fazer em minha carreira?”

Dizem que o brasileiro tem memória curta. Se isto é verdade ou não, o certo é que infelizmente não temos uma cultura sistemática de preservação de locais históricos e mesmo da cultura popular em nosso país. Em paralelo a esta triste constatação também percebemos que o meio evangélico não costuma preservar sua história com a qualidade que esta mereça. Em se tratando da história do evangelho no Brasil, sua presença no país, o trabalho missionário, o crescimento das denominações e outros temas relacionados ao assunto central, enfim, o que percebemos é que pouquíssima informação é disponibilizada através de centros culturais, literatura, vídeos e afins. E esta mesma tendência percebemos no tocante à preservação da cultura musical evangélica. Confesso que até hoje não me deparei com nenhum estudo, livro ou mesmo monografia que enfocasse o crescimento da música gospel no país.