Home Tecnologia

1 342

Como as coisas vem e vão em um curto prazo de tempo né? o que era novo há uma semana atrás, hoje já começa a se tornar obsoleto.

Toquei nesse assunto porque resolvi falar de smartphone, de como esse mercado cresceu em tão pouco tempo.

O número de assinantes dos serviços navegação curva-a-curva em smartphones cresceu 57%, do primeiro semestre de 2009 até julho de 2010, segundo uma pesquisa feita pela empresa analista de serviços wireless, Berg Insight.

Essa estimativa de mercado mostra o uso da navegação pelo celular.

A Berg Insight estima que essa base de assinantes cresça, em nível anual, cerca de 33%, alcançando 195 milhões de usuários em todo o mundo, daqui a cinco anos.

Porém, nos Estados Unidos, onde os navegadores GPS já atingem 70% dos usuários, os serviços de navegação para smartphones alcançam apenas 8% do total da base de assinantes de serviços para dispositivos móveis.

Uma grande fatia desses usuários usam a navegação como parte de um pacote de serviços, juntamente com plano de voz e dados do seu operador móvel.

De acordo com a Berg Insight, operadores móveis e prestadores de serviços estão acelerando seus esforços para criar experiências diferenciadas de navegação, com conteúdo local único para competir contra os serviços gratuitos.

Berg Insight prevê venda de 560 milhões de aparelhos móveis com GPS em 2012

De acordo com uma nova pesquisa da Berg Insight, as vendas de aparelhos móveis com GPS deverão crescer de 175 milhões de unidades em 2007 para 560 milhões em 2012, um aumento anual de 26,2%.

“O ano passado marcou a entrada do GPS em tecnologias além das redes CDMA e o lançamento de produtos da Nokia e outros”, comentou André Malm, analista de Telecom da Berg Insight. “Esse ano esperamos ver uma abundância de novos modelos com suporte para GPS e de diversas marcas. Em 2009, o GPS será uma necessidade nos aparelhos móveis”.

A Berg Insight acredita que a crescente penetração do GPS em tecnologias GSM/WCDMA criará uma onda de inovações no campo de serviços baseados em localização. “A disponibilidade de dados acurados de posição em dispositivos móveis criam novas oportunidades para procura local, navegação e aplicações de redes sociais”, completou Malm.

Mercado de Apps e Wap tem crescido a cada dia que passa, pensando nisso já comecei a projetar o Wap da SanyMusicGospel, se o mercado cresce, se cresce a quantidade de novos adéptos aos serviços smartphone a SonyMusicGospel não poderia pensar em outra coisa além de estar presente também nesta ferramenta.

Imagina, você utilizar no seu dia a dia, em sua viagem seja de carro, trem, metrô um smatphone que consiga através dele ter acesso aos vídeos, notícias e stremming dos seus artistas favoritos? Taí, uma boa idéia né? Agora é trabalhar para expandir essa ferramenta em nosso mercado.

Vladymi Lacerda é WebDesgner e trabalha na Sony Music e desistiu de lutar contra tendências da nova geração, eu quero meu SmartPhone.

Fonte: GPS Business News

Li no Jornal O Globo, na coluna “Conexão Global” do dia 14 de setembro um texto que serve como alerta para aqueles que continuam achando que existem pecadinhos e pecadões, que são adeptos do “jeitinho brasileiro” ou que ainda vivem da “Lei do Gerson” (isso é velho demais! Talvez muitos dos jovens leitores nem entendam o que esta expressão significa, mas como não vou explicar por aqui, pergunte a alguém que tenha mais de 40 anos e ele te contará a história deste bordão!), em se tratando das novidades tecnológicas.

Cada vez tenho estudado e lido mais a respeito do mercado web e das novas tecnologias. Num vôo da ponte aérea deparei-me com este texto que fiz questão de transcrever para os leitores do Observatório Cristão. Basicamente nos deparamos com o futuro da relação mercado x web x consumidor. É uma rápida leitura, bastante concisa, mas que vai orientar e abrir novas frentes de pensamento para quem gosta de imaginar o que vem por aí.  Em outro post anterior destaquei a importância de termos mais profissionais de qualidade e com vontade de crescer em nosso mercado. Mais uma vez, através deste texto, enfatizo a enorme necessidade de contarmos com jovens idealistas e antenados com as novidades desse mercado e universo virtual. A última frase deste texto é bombástica e resume bem o que eu penso a respeito das diversas iniciativas bombásticas e estridentes que temos visto em nosso mundinho cibernético gospel tupiniquim nos últimos tempos. Boa leitura e boa viagem!


O mundo realmente está cada dia tornando-se mais e mais diferente. O conceito de mundo globalizado e conectado é a mais perfeita tradução do que o ser humano vive neste momento. As novas tecnologias estão pulverizando as distâncias e criando novos hábitos e formas de relacionamento.

Faça um exercício de criatividade e imagine-se que há 20 anos você tenha participado de uma pesquisa sobre congelamento humano numa espécie de frigorífico ou algo parecido. Depois deste momento de hibernação, atendendo ao estabelecido na pesquisa científica você seria descongelado e poderia voltar à sua vida normalmente em pleno século 21. Que tipo de novo mundo você encontraria? Certamente do ponto de vista de alguém que tenha vivido até os anos 90, certamente que este mundo seria algo estranhíssimo, certo?


Destaque na edição desta semana da Revista Veja, o Google TV dá início a uma revolução nos hábitos de consumo e relacionamento entre a televisão e a internet. A matéria Tecnologia relata a impressionante experiência vivida pelo apresentador da Fox News, Glenn Beck, um dos mais populares jornalistas dos Estados Unidos, que apareceu em seu programa com um exemplar do livro The Road to Serfdom – O Caminho da Servidão, livro em que o austríaco Friedrich Hayek denunciou os vícios das economias planejadas em regimes  totalitários. Pouco tempo do término do programa, este livro, lançado em 1944 foi catapultado à lista dos mais vendidos da Amazon, chegando à liderança isolada, ou seja, tornou-se um Best-Seller instantâneo por obra de milhares de pessoas que correram ávidas para adquirirem o livro através do computador.

Só que a grande novidade é que muito em breve, estes mesmos consumidores sequer precisarão levantar de suas poltronas para comprar o que se anuncia pela TV através da internet. A mais séria novidade da confluência entre a internet e a televisão atende pelo nome de Google TV, que será lançada em setembro deste ano. Em parceria com a Sony, o Google vem desenvolvendo um aparelho com as funções tradicionais de uma televisão aliadas ao serviço de internet. A proposta possui a simplicidade dos inventos revolucionários. Em lugar de trocar os canais em busca de um show de música, a pessoa poderá digitar “Rolling Stones” ou “Música Gospel” (pra ninguém reclamar que este post não é crente!!!) e o software automaticamente identificará o canal que naquele momento esteja transmitindo o evento do artista solicitado. Como diz a matéria de Veja, “a vovó jogará no Google a palavra “Passione”, e o televisor sintonizará a novela”.

Este sistema será possível mesmo para aqueles que não tenham um aparelho com todos estes recursos. Dessa forma, basta comprar um conversor e acesso a banda larga para internet. Outras empresas de tecnologia, como a Apple, deverão entrar nessa área, por ser um passo evolutivo natural, ou seja, é um caminho sem retorno para a nova relação entre TV, consumidor e internet. Esta mudança de hábito com relação à utilização da internet no dia a dia já é observada entre os jovens e adolescentes, que se assustam com histórias de seus pais ou avós que sobreviveram sem ter as facilidades de pesquisas, entretenimento, informação, entre outras ferramentas da web.

Voltando à realidade do mercado gospel tupiniquim, a maior novidade digital é o lançamento do canal de notícias SMS Claro – Sony Music onde os assinantes da operadora poderão receber informações diárias sobre lançamentos de CDs e DVDs, agendas dos artistas, contratações e uma série de notícias interessantes do universo da música cristã nacional e internacional  e, ainda concorrer a prêmios e promoções. O projeto será lançado para os assinantes da operadora Claro na próxima semana.

Ainda falando de novidades digitais, na semana passada, agora em parceria entre a Sony Music e a Rede Super, foi lançado o serviço de download do novo single da Banda Resgate pelo celular, a canção “Depois de Tudo”. Esta mesma iniciativa será oferecida aos próximos lançamentos da gravadora, como Renascer Praise, Rayssa & Ravel, Marcelo Aguiar, entre outros.

________________________________

Mauricio Soares é publicitário, internauta nas horas ocupadas e também nas horas vagas. Procura acompanhar as novidades da tecnologia, mas sem abandonar os velhos hábito de folhear um jornal, um livro ou de falar pessoalmente com seus amigos.

6 276

Quando o primeiro vídeo foi postado no YouTube, exatamente no dia 23 de abril de 2005, seus criadores e pioneiros nunca imaginariam que ele atingiria dois bilhões de visualizações diárias.

O YouTube é hoje o terceiro site mais acessado no mundo de acordo com o Alexa, está em 23 países (traduzido em 24 idiomas), possui uma média de 15 minutos de visualização de vídeos por pessoa diariamente, recebe mais de 24 horas de vídeos por minuto e 45 milhões de impressões da sua página inicial todos os dias.

Os três vídeos mais vistos no YouTube são “Bad Romance”, da Lady GaGa, “Charlie Bit My Finger” e “Evolution of Dance” — cada um aproximando-se de 200 milhões de visualizações únicas.

E ai, já criou seu vídeo e hospedou no Youtube, quem sabe, ele pode ultrapassar os citados acima… Vida longa ao Youtube!

Fonte: macmagazine

4 300

A Apple iniciou a veiculação de um novo comercial divulgando o iPad, a idéia é tirar  dúvidas de algumas pessoas que não sabe de exato sobre as funcionalidades do iPad.

Vladymi Lacerda

Baixar legalmente as músicas da banda que você mais gosta, no conforto de seu lar, ouvir versões únicas de suas canções preferidas, ter acesso a conteúdo exclusivo sobre seu ídolo, tudo isso não tem preço. Mas, para quase todas estas coisas, existe um e-card. O cartãozinho, que tem o mesmo formato dos de cartão de crédito, é a mais nova aposta de selos (inclusive os menores), gravadoras e empresas de promoção para burlar a pirataria e estreitar relação de marcas e artistas (dos mais populares aos mais sofisticados) com os fãs.
Funciona assim: cada e-card traz a indicação de um site e um código que, ao ser digitado na página, dá direito a baixar o conteúdo. A quantidade de músicas para download varia de caso a caso. E, na maioria das vezes, é oferecido gratuitamente. A Sony Music, por exemplo, distribuiu 10 mil e-cards no lançamento do DVD da dupla sertaneja, João Bosco e Vinícius, no Vila Country, em São Paulo, no mês passado.
Bem mais do que um caminho para baixar música legalmente e incentivar o consumo, os e-cards são mesmo uma poderosa arma de promoção. Praticamente todas as gravadoras já experimentaram, desde a independente Deck-disc, com o Strike, até as grandes, como a Som Livre, que testou a novidade no lançamento da até então desconhecida Maria Gadú. O e-card dava direito ao download de “Shimbalaiê”, hoje um sucesso.
Bandas independentes também estão adotando o formato. O Songoro Consogo lançou as 12 faixas do disco “Psicotropical musik vol. 2” simultaneamente em CD e e-card.
– É uma solução barata para bandas independentes, principalmente na questão de distribuição – avalia o baterista Bernardo Palmeira – de todos os que foram entregues 70% fizeram downloads.
Os cartões também podem se tornar um objeto de desejo. Durante a passagem de Beyoncé pelo Brasil, 50 mil e-cards foram distribuídos junto com os ingressos para o show do Estádio do Morumbi, na capital paulista. Um deles foi para no MercadoLivre, e disputado como objeto de colecionador.
– Os consumidores recebem um brinde atrativo, que vira um grande recordação de seus ídolos ou de um momento especial – defende Alexandre Schiavo, presidente da Sony Music Brasil – com o e-card, o fã pode fazer o download de músicas de sucesso, inéditas ou versões nunca lançadas, além de videoclipes, entrevistas exclusivas e até games. As possibilidades são enormes. É um passaporte para o ambiente virtual.
Passaporte, aliás a definição perfeita para os e-cards. Diferentemente dos CDs promocionais – como aqueles que você ganhava no posto de gasolina, com um única seleção de músicas –, com os cartões eletrônicos, a escolha é do freguês. E enquanto o fã pode viajar na seleção das faixas, quem está do outro lado analisa o comportamento e o gosto de seu cliente.
Gabriel Marques, vocalista da nada Moptop e criador do site 1download (WWW.1download.com.br), não tem dúvidas de que o formato vale a pena:
– Gasta-se em média, R$ 700 para produzir mil cartões, enquanto seria preciso de R$ 3 mil ou R$ 4 mil para a mesma quantidade de CD.
Para Felippe Llerena, idealizador da Coolnex, braço da distribuidora de música digital iMúsica, primeira empresa a desenvolver este tipo de mídia por aqui, os e-cards são “uma moeda de troca, além de um item colecionável que confere valor ao produto.”
E não servem apenas para divulgar discos. Na noite de lançamento do livro “Música, ídolos e poder: do vinil ao download” (Nova Fronteira) do produtor André Midani, em 2008, quem comprava a edição recebia um e-card para baixar um determinado valor em músicas de uma loja virtual.
Por Marcella Sobral – Revista O Globo
E o mercado gospel não ficará anos contemplando passivamente esta revolução acontecendo sem se mexer. Já nos shows programados para a Cidade de São Paulo da mini-turnê do cantor Michael W. Smith será lançado o Gospel Music Ticket que dará acesso a download de 3 faixas gratuitas entre 10 músicas disponíveis. Os ingressos para o show, que já se encontram à venda, darão direito a um e-card personalizado do artista. Para retirar seu Gospel Music Ticket, basta dirigir-se à loja Made in Brazil munido com seu ingresso e documentação.  Outras iniciativas já estão sendo analisadas para que no segundo semestre mais projetos de e-card sejam lançados pela Sony Music visando atender à demanda do mercado gospel nacional.

Baixar legalmente as músicas da banda que você mais gosta, no conforto de seu lar, ouvir versões únicas de suas canções preferidas, ter acesso a conteúdo exclusivo sobre seu ídolo, tudo isso não tem preço. Mas, para quase todas estas coisas, existe um e-card. O cartãozinho, que tem o mesmo formato dos de cartão de crédito, é a mais nova aposta de selos (inclusive os menores), gravadoras e empresas de promoção para burlar a pirataria e estreitar relação de marcas e artistas (dos mais populares aos mais sofisticados) com os fãs.

Funciona assim: cada e-card traz a indicação de um site e um código que, ao ser digitado na página, dá direito a baixar o conteúdo. A quantidade de músicas para download varia de caso a caso. E, na maioria das vezes, é oferecido gratuitamente. A Sony Music, por exemplo, distribuiu 10 mil e-cards no lançamento do DVD da dupla sertaneja, João Bosco e Vinícius, no Vila Country, em São Paulo, no mês passado.