Divini et naturalis

uni

É com enorme satisfação que anunciamos a estréia de Ana Lopes como colaboradora do Observatório Cristão. // Formada em Educação Física, especialista em Fisiologia do Exercício, Mestre em Fisiologia Humana e Doutoranda em Ciencias Biomédicas (USP), Ana é ainda Assessora de Comunicação e Mídias Sociais, estudante de jornalismo, apaixonada por música, cinema e literatura. // O texto abaixo é o primeiro da série que trata das relações entre Deus, Criação, Religião e Ciência. /// Carlos André Gomes


Divini et naturalis

Ao ser incumbida desta difícil e prazerosa tarefa de discorrer a respeito de um tema que causa tanta polêmica e controvérsia, refleti em como dar início a esta minha ocorrência lingüística, e indaguei-me em fazê-lo citando a introdução da Carta Encíclica Fides et Rátio do Pontífice João Paulo II aos bispos da igreja católica, ao que pensei: poderia causar algum espanto e contestação, no entanto, refleti que as produções textuais que aqui serão discorridas por mim não serão menos espantosas e controversas, desta forma decidi fazê-lo, e assim sendo vamos a citação:

“A fé e a razão (fides et ratio) constituem como que as duas asas pelas quais o espírito humano se eleva para a contemplação da verdade. Foi Deus quem colocou no coração do homem o desejo de conhecer a verdade e, em última análise, de O conhecer a Ele, para que, conhecendo-o e amando-o, possa chegar também à verdade plena sobre si próprio”

A origem do Universo é uma das grandes interrogações do homem. E a busca pela compreensão sobre como foi desencadeado o processo que o originou, proporcionou e ainda proporciona várias discussões, debates, pesquisas e teorias que possam explicar tal fenômeno.

Descobrir o elo que une a nossa herança enquanto seres humanos à constituição do universo é uma síntese entre as descobertas cientificas e as tradições bíblicas e revela-nos um universo que evoluiu, seja pelo desenvolvimento científico, seja por intervenção divina.

A tradição cientifica e religiosa exibem sistemas de pensamentos que buscam a verdade. A religião baseia sua busca da verdade em um conhecimento que se acredita obter por revelação. A ciência busca a mesma verdade avaliando as interações observadas em nosso mundo físico. No entanto, não nos damos conta que alcançar um entendimento rigoroso da bíblia é uma tarefa tão árdua e exigente quanto à pesquisa cientifica.

Faz-se necessário estudar os conhecimentos científicos para a compreensão da relação entre o mundo e o modo como ele é regido por Deus. Para tentarmos entender a interação, e a intima ligação entre o Divino e o Natural, precisamos mais do que o amor a bíblia, é preciso também um conhecimento das ciências naturais.

“Os céus narram a glória de Deus, e o firmamento proclama a obra de suas mãos” (Sl 19:2). Estudar e entender a história que esses céus contam é muito importante.

O “naturalismo científico” tanto quanto o “criacionismo” buscam nas mesmas fontes as evidências para as suas propostas. A interpretação dessas evidências pode ser diferente. Mas isto não é uma questão de ciência e religião. Isso é uma questão de interpretação.

O mundo criado por Deus é algo positivo, valoroso e digno de cuidadoso estudo porque foi criado para um propósito perfeitamente bom. Os humanos, como os únicos portadores da imagem de Deus, foram criados para discernir, descobrir e desenvolver as coisas boas da criação para glória de Deus e melhoria humana através do trabalho. O mandato da criação (Genesis 1: 26 – 28) inclui a atividade científica.

Todas as questões de moralidade contidas na imutável lei espiritual de todas as religiões são logicamente exatas. Se a religião fosse contrária a razão lógica, então deixaria de ser religião para ser simplesmente tradição. E a ciência a cada descoberta, não nos prova a inexistência de Deus, ao contrário, a ciência é chave para a compreensão do Universo que Deus criou. É impossível separar estas duas áreas do conhecimento humano.

O conflito entre religião e ciência é bastante conhecido historicamente. Galileu Galilei foi obrigado a se retratar, quando comprovou a teoria heliocêntrica de Copérnico, por causa da reação da Igreja Católica no Século 17. O mesmo ocorreu com Charles Darwin e sua teoria evolucionista, que contradizia o criacionismo da Igreja.

Com a evolução alcançada pela tecnologia neste início de século 21, religiosos e cientistas se confrontam com novas polêmicas. Células-tronco, clonagem e transgênicos são apenas alguns exemplos de questões que ainda geram muitas divergências.

Albert Einstein físico judeu-alemão, criador da teoria da relatividade, prêmio Nobel em 1921, afirma:

“Todo profundo pesquisador da natureza deve conceber uma espécie de sentimento religioso, pois não pode admitir que ele seja o primeiro a perceber os extraordinariamente belos conjuntos de seres que ele contempla. No universo, incompreensível como ele é, manifesta-se uma utilização superior e ilimitada”

Thomas Edison inventor do campo da física diz: “Tenho enorme respeito e a mais elevada admiração por todos os engenheiros, especialmente pelo maior deles: Deus.”

A ciência não é inimiga da religião, nem tampouco a razão contradiz a fé. Enquanto o cristianismo e a ciência tiveram suas disputas, não nos daremos conta que não há nada inerente à visão cristã, que seja inimiga da ciência corretamente entendida.

A religião e a ciência tenta de alguma forma levar ao homem explicações que as vezes foge da compreensão, a fé não se opõe a ciência pois ambas caminham juntas, vez que juntas trabalham para o bem maior que é o desenvolvimento intelectual e espiritual de uma forma completa na sua essência e na sua complexidade.

Para findar e compilar a síntese dos pensamentos aqui discorridos finalizo com esta citação “A religião e a ciência são duas asas sobre as quais a alma humana pode progredir.”

Nos próximos capítulos deste grande texto que é a compreensão humana na constituição do Universo preparamos uma série em que discorrerei à respeito da visão científica e religiosa de alguns acontecimentos bíblicos.


Ana M. de Souza Lopes

Teorias/Pensamentos e Crônicas
www.analopes9.blogspot.com
twitter.com/analopes9

39 Comments

Deixe uma resposta