Home Design ESCOLHAS – Decidindo pelo certo na hora certa

ESCOLHAS – Decidindo pelo certo na hora certa

Já faz um bom tempo que não posto nada de novo no Observatório. E a justificativa para essa sequidão literária não é outra além do simples fato de não ter tempo disponível nestes últimos dias. Coincidentemente tenho permanecido muito mais tempo em solo do que o habitual e isso, significa menos tempo de espera em saguões de aeroportos e menos tempo deslocando-me em vôos longos por nosso país.

Então, aproveitando um vôo entre Belo Horizonte e o Rio de Janeiro, tentarei ao menos iniciar um texto para ser publicado em data ainda incerta. Estive em Beagá participando de mais um evento promovido pela Sony Music visando a maior integração entre lojistas, mídias e os artistas do cast. E mais uma vez, o resultado foi estupendo! Foi uma noite muito especial, sem dúvida! E para minha supresa, pude conhecer mais alguns leitores do Observatório Cristão, gente que realmente acompanha os textos, aprende e se diverte muito por aqui. Fico feliz com esse feedback.

Mas entre alguns assuntos que me vêm à mente para discorrer nos próximos minutos, um em especial vem assumindo lugar de maior destaque entre minhas prioridades e será sobre ele que iremos falar daqui em diante. O assunto de hoje é: ESCOLHAS.

Durante as 24 horas do dia exercemos nosso poder de escolha e decisão. Começamos já no momento em que acordamos e decidimos se vamos nos levantar e enfrentar o dia ou se iremos permanecer mais tempo refastelados entre lençóis e edredons. Algumas pessoas optam por já ficar nesse marasmo durante boa parte do dia, mas não serão estes os personagens que vamos focar, é melhor deixarmos por lá mesmo dormindo nos braços de Morfeu.

Então, retornando ao nosso tema proposto, vivemos de escolhas. E na vida artística, profissional, pessoal, … , serão estas escolhas que irão definir nosso futuro e que trarão, sem sombra de dúvidas, o resultado positivo ou não sobre nosso cotidiano. Enfocando somente na questão artística, o processo de escolha é fundamental para que um determinado artista tenha ou não um carreira longeva. Já é usual em meu discurso a necessidade do artista de cuidar de sua carreira para que ela seja o mais consistente, equilibrada e duradoura possível. E essa longevidade está intrinsicamente ligada à capacidade de se fazer as melhoras escolhas.

Em quase 24 anos de estrada nesse mercado já tive oportunidade de trabalhar, conhecer e relacionar-me com dezenas, centenas de artistas dos mais diversos estilos, grandeza, importância. Enfim, tive chance de conhecer artistas com grande potencial que simplesmente “ficaram pelo caminho”. Outros que mesmo sem tanta qualidade artística me surpreenderam pela capacidade de se manterem firmes num mercado altamente competitivo. É muito comum vermos artistas de um segundo ou terceiro escalão dentro do jet set gospel que mantêm suas vidas confortavelmente através de agendas intensas.

Se formos analisar individualmente a carreira de 10, 20, 30 artistas do meio gospel tupiniquim poderemos traçar uma linha muito clara entre decisões e resultados. Outro dia resolvi fazer esse exercício elencando 10 artistas entre aqueles que alcançaram o sucesso e se mantém firmes hoje em dia comparando com outros que hoje estão literalmente em condições desfavoráveis. E é impressionante como todos tiveram momentos decisivos em suas carreiras! E essas decisões, é bom destacar, não significam um código de conduta, ou seja, uma regra que todos devem seguir para atingir o Nirvana. Não! Nada disso … cada decisão é individual e os resultados também o são.

Entre estes artistas, algumas decisões são recorrentes como a manutenção ou troca de gravadora, a escolha do estilo musical, continuidade ou não da parceria com determinado produtor musical e compositores, a definição do foco do trabalho entre “igrejas” e “shows de prefeituras”, por exemplo. E analisando de forma distante e crítica, posso ver como determinados artistas conduziram de forma equivocada suas carreiras por justamente escolherem de forma errada em momentos cruciais de suas vidas. E a partir de agora vou tentar listar alguns dos erros mais comuns de “escolha” na carreira artística.

“Escolhi ser o astro maior da música gospel nacional! Tudo gira em torno de mim! Não preciso de ajuda! Eu sei tudo!” – este é um erro muito comum no mundinho das celebridades do meio gospel. O artista teve sucesso por um tempo, de repente acertou numa música, conseguiu uma certa relevância e destaque no meio e por isso mesmo, escolhe acreditar em seu feeling pessoal. Ou seja, o dito cujo escolhe seguir sozinho sem a ajuda de profissionais, amigos! Ele acha que sabe mais do que todo mundo! Ele escolhe ter o controle único, uma espécie de “chavismo artístico” onde suas escolhas são (ele crê piamente nisso!) a própria emanação da vontade suprema. Esse sujeito se afasta das pessoas! Ele arruma briga com todos que ousam discutir suas decisões! Ele escolhe conduzir sua carreira e o resultado é sempre o mesmo: queda de qualidade no trabalho, ostracismo, isolamento, perdas!

Conheço muitos artistas que (mesmo sem o mínimo conhecimento técnico) ousam discutir de igual para igual sobre os assuntos mais díspares como tecnologia, teologia, marketing estratégico, comunicação, produção, design, figurino, cenografia, iluminação, culinária, educação de filhos, web marketing, administração, legislação autoral, meio ambiente, política cambial, artesanato, técnicas vocais, fonoaudiologia, como tirar manchas de tecido, masterização e outros temas mais ou menos palpitantes. Isso deve-se ao fato de que simplesmente o artista-que-se-acha-o-tal escolheu seguir sozinho em sua caminhada e escolheu que ele tudo sabe de tudo!

 “Escolhi seguir numa gravadora onde serei o único TOP a ter que dividir minha luz e glamour com outros artistas concorrentes!” – este não é um pensamento raro em nosso meio. Não mesmo! Muitas das vezes, artistas optam por uma ou outra gravadora pelo simples fato de que em uma determinada empresa este poderá ter todos os holofotes para si, mesmo que essa gravadora seja conhecida como a “Fundo de Quintal Records”.

Há alguns anos atrás procurei uma artista para ingressar no cast da gravadora em que trabalhava. As negociações iam de vento em popa, até mesmo com certa tranquilidade quando no meio do processo, fui surpreendido com a mudança de pensamento da cantora pelo simples fato de que naqueles dias anunciei a contratação de outros artistas importantes. Tive que ouvir do marido cantora que ela não queria concorrência interna e que preferiria seguir para outra empresa onde seria a maior estrela do cast. Pra resumir a história, anos depois e já completamente em baixa no mercado pelo péssimo trabalho da gravadora que ela havia escolhido, o mesmo marido me procurou ensandecido querendo um lugar no meu cast. Só que anos depois, a força daquela artista, até mesmo para negociação, havia diminuído abruptamente e sua relevância para entrar no cast não era mais tão elevada.

Particularmente, escolho estar sempre entre os melhores! Seja no futebol, na profissão, onde quer que seja. Estar entre os melhores sempre nos incentiva a tornar-me um deles. Só para ilustrar este fato, hoje estou no meio de profissionais do mais alto gabarito no mercado fonográfico. Gente com mais de 40 anos de estrada e com inúmeros cases de sucesso. Minha expertise do mercado fonográfico nestes últimos anos cresceu absurdamente! Hoje creio que estou melhor preparado 70, 80% acima de que quando comecei a trabalhar nesta empresa e esse crescimento se deu justamente pelo convívio com profissionais mais gabaritados!

 

 “Escolhi manter meu estilo próprio! Escolhi manter minha equipe de trabalho! Escolhi manter meus músicos e compositores!” – o ditado diz que “em time que está ganhando não se mexe!”, mas sem querer ir de encontro à sabedoria popular, em termos artísticos essa máxima não se aplica! Arte é constante mudança! Arte é constante evolução! Arte é movimento! Arte é inovação!

Vários artistas que escolherem seguir nessa inércia criativa viram suas obras perdendo força ao longo do tempo. Isso é fato! Um artista que não se renova, não se recicla, está fadado à mesmice, ou seja, ao suicídio artístico. Infelizmente temos muitos artistas que mantém um pacto eterno com produtores, músicos, compositores, estilos. Alguns por questões de afinidade, outros por questões familiares, mas o certo é que um artista que não busca por novos caminhos, acaba seguindo uma rota certa de perda de qualidade e consequentemente de queda em sua carreira artística no meio.

Por fim, quero relembrar uma conversa que tive nesta mesma viagem de Belo Horizonte com meu amigo Marcus Salles. Falávamos sobre escolhas, decisões, sobre a racionalidade da fé. O Marcus Salles faz questão de dizer em suas apresentações e em muitas de suas pregações, que o testemunho de vida e fé dele é algo tranquilo. “Não sou ex-nada! Fui criado na igreja, sou filho de pastor, nunca me afastei dos caminhos de Deus. Simplesmente porque escolhi que Deus tinha e tem o melhor para a minha vida. Simples assim! Este mesmo sentimento é o que eu tenho em se tratando de minha fé. Simplesmente escolhi seguir a Deus, mesmo a despeito das decepções, das opiniões contrárias, das inúmeras tentações. Escolhi ser um profissional buscando aprimoramento contínuo. Escolhi fazer o melhor pelo bem estar das pessoas. Escolhi manter minha opinião e postura mesmo quando todos se omitem ao meu redor. Escolhi ser cristão! E isso traz para mim uma responsabilidade enorme de ser reconhecido como alguém que segue Aquele que sempre foi o melhor.

Esta mesma forma de lidar com minha fé, optei por seguir em minha vida em família. Quantas e quantas vezes ouvimos que o casamento é uma questão de escolha? E é dessa forma que eu creio também! Eu escolhi ser casado. Escolhi ser um pai para meus filhos, seguindo como exemplo de cidadania, hombridade, ética, bondade. Nem sempre é fácil ser exemplo, mas eu escolhi seguir nessa busca incessante.

A vida é feita de escolhas. Na carreira artística existe uma série de decisões importantes que precisam ser sempre tomadas. Com muita humildade espero que os artistas entendam a importância sobre as escolhas certas. Escolha ser apoiado por profissionais e amigos. Escolha seguir a voz e orientação do seu pastor. Escolha por buscar sempre a inovação. Escolha ser correto em todas as suas atitudes, Escolha tratar bem as pessoas. Escolha reconhecer todos que o ajudam. Escolha em ser menos impulsivo. Escolha por orar e meditar muito antes de decidir por suas escolhas. E por fim, escolha ser do bem. Escolha seguir a Cristo e tê-lo como maior alvo e exemplo a ser seguido.

Mauricio Soares, jornalista, publicitário, alguém que escolheu fazer diferença não importando o ambiente. Aproveitando o tema, quero indicar o projeto “Escolhi Esperar” que trata sobre as questões de namoro, casamento e tudo ligado à área afetiva. Vale a pena conhecer melhor esse projeto ao som da lindíssima canção da Marcela Taís que está na seção de vídeos do Observatório Cristão.

 

Notícias relacionadas

0 360

0 528