Fabricantes de celular investem em canal on-line

O mercado brasileiro de música digital encerrou 2009 com recuo de 1,08%, mas esse resultado não tirou o ânimo das empresas. Lojas virtuais já consolidadas preveem crescimento de dois dígitos neste ano e as fabricantes de celulares, que antes investiam na inclusão de faixas nos aparelhos, agora reforçam as apostas em sites próprios.

“A música embarcada não é mais diferencial para vender aparelhos”, avalia Hamilton Yoshida, diretor de marketing para a divisão de telecomunicações da Samsung. “Hoje o consumidor quer poder baixar a música que quiser no site”, completa. A companhia colocou no ar em março a sua loja de música no Brasil. As faixas são livres de direitos autorais, ou seja, podem ser ouvidas em qualquer aparelho. A Samsung arca com o custo do licenciamento. “Não precisamos ganhar com a venda de música, mas com os celulares que reproduzem o conteúdo.”

No ano passado, as lojas virtuais já tiveram que enfrentar um concorrente de peso: o site da Nokia, que oferece download gratuito de 6 milhões de músicas para usuários de determinados aparelhos, e a venda normal para os demais consumidores. O site foi lançado em abril e seis meses depois já respondia por cerca de 10% do mercado digital. Conforme o gerente de música da Nokia para América do Sul, Ady Harley, as gravadoras recebem um percentual sobre a venda dos aparelhos, em vez de um valor por faixa baixada. “É um bom negócio para ambos, porque estamos competindo com a pirataria.”

O diretor de showbizz do UOL, Jan Fjeld, considera positiva a entrada de novas lojas. “O mercado tem um grande potencial de expansão e todo lançamento acaba atraindo a atenção dos consumidores”, afirma Fjeld. Em 2009, a UOL Megastore elevou sua participação no mercado de músicas digitais de 16% para 18% e espera para este ano crescimento de 15% a 20%. Um dos fatores que deve facilitar a expansão é a adoção pelas gravadoras do formato de arquivo .mp3 (que toca em qualquer aparelho) em substituição ao .wma, que só toca em aparelhos com sistema operacional Windows.

A loja virtual Sonora, pertencente ao portal Terra, registrou crescimento de 110%, encerrando o ano com 3 milhões de usuários e 300 mil assinantes, afirma o diretor da loja, Lúcio Schneider. Neste ano, a empresa planeja dobrar o número de assinantes. Diferentemente do UOL, que trabalha só com downloads, a Sonora oferece um modelo que permite ao internauta, por meio de uma assinatura, acessar 20 horas de música por mês. “A forma de comprar música mudou, é preciso se adaptar frente ao efeito YouTube e Nokia.” (CB e GB)

Fonte: Valor Econômico

O mercado brasileiro de música digital encerrou 2009 com recuo de 1,08%, mas esse resultado não tirou o ânimo das empresas. Lojas virtuais já consolidadas preveem crescimento de dois dígitos neste ano e as fabricantes de celulares, que antes investiam na inclusão de faixas nos aparelhos, agora reforçam as apostas em sites próprios.
“A música embarcada não é mais diferencial para vender aparelhos”, avalia Hamilton Yoshida, diretor de marketing para a divisão de telecomunicações da Samsung. “Hoje o consumidor quer poder baixar a música que quiser no site”, completa. A companhia colocou no ar em março a sua loja de música no Brasil. As faixas são livres de direitos autorais, ou seja, podem ser ouvidas em qualquer aparelho. A Samsung arca com o custo do licenciamento. “Não precisamos ganhar com a venda de música, mas com os celulares que reproduzem o conteúdo.”
No ano passado, as lojas virtuais já tiveram que enfrentar um concorrente de peso: o site da Nokia, que oferece download gratuito de 6 milhões de músicas para usuários de determinados aparelhos, e a venda normal para os demais consumidores. O site foi lançado em abril e seis meses depois já respondia por cerca de 10% do mercado digital. Conforme o gerente de música da Nokia para América do Sul, Ady Harley, as gravadoras recebem um percentual sobre a venda dos aparelhos, em vez de um valor por faixa baixada. “É um bom negócio para ambos, porque estamos competindo com a pirataria.”
O diretor de showbizz do UOL, Jan Fjeld, considera positiva a entrada de novas lojas. “O mercado tem um grande potencial de expansão e todo lançamento acaba atraindo a atenção dos consumidores”, afirma Fjeld. Em 2009, a UOL Megastore elevou sua participação no mercado de músicas digitais de 16% para 18% e espera para este ano crescimento de 15% a 20%. Um dos fatores que deve facilitar a expansão é a adoção pelas gravadoras do formato de arquivo .mp3 (que toca em qualquer aparelho) em substituição ao .wma, que só toca em aparelhos com sistema operacional Windows.
A loja virtual Sonora, pertencente ao portal Terra, registrou crescimento de 110%, encerrando o ano com 3 milhões de usuários e 300 mil assinantes, afirma o diretor da loja, Lúcio Schneider. Neste ano, a empresa planeja dobrar o número de assinantes. Diferentemente do UOL, que trabalha só com downloads, a Sonora oferece um modelo que permite ao internauta, por meio de uma assinatura, acessar 20 horas de música por mês. “A forma de comprar música mudou, é preciso se adaptar frente ao efeito YouTube e Nokia.” (CB e GB)

10 Comments

  • Cris

    19/04/2010 at 20:11

    Acho brega essa idéia. E se ela acontecer acho que APENAS O PÚBLICO deveria votar. Pq senão será a mesma MARMELADA que o Trofeu Talento. O meio gospel é sempre a mesma PANELA, precisa-se de coisas novas, novos TALENTOS. Vcs por exemplo contrataram Regaste, Renascer Praise… a fase deles já passou neh… Rayssa e Ravel… a não gente… não dá… Vamos inovar…

    Responder
    • Mauricio Soares

      22/04/2010 at 13:46

      Me diga qual premio tem votacao exclusiva do publico … MTV, Oscar, Multishow e por aí vai … sempre dá possibilidade de distorçao para os fãs clubes … mas tá tranquilo, se não quiser participar afinal não estamos em Cuba, Coréia do Norte ou na assembléia do PT.

      Responder
  • Guimarães

    20/04/2010 at 04:22

    Vi neste texto, o chamado "fogo amigo", um verdadeiro "tiro no pé", primeiro pela infeliz frase "…comentado no meio gospel tupiniquim…" Se nós não nos respeitamos, o que esperar de outros ?
    E por colocar em dúvida na frase… "mas nada de marmelada, votos de cabresto e afins…" a organização do Troféu Talento, que foi por alguns anos dirigido por um dos editores deste blog…

    Responder
  • elissandro

    21/04/2010 at 02:28

    seria pra esse ano ainda a premiação?
    gostei da ideia porem axo q os vencedores deve ser escolhido pelo público e nao por "jurados"…

    Responder

Deixe uma resposta