SHOPPING CART

Houston, temos problemas! Precisamos de um especialista!

Tempos atrás era comum ver em adesivos estampados nos carros uma frase que dizia mais ou menos: “Não compre um imóvel, sem a participação de um corretor”.  Na medicina é prática usual que um paciente seja direcionado pelo clínico geral ao atendimento de um especialista em casos menos usuais. Nas grandes corporações cada vez mais nos deparamos com profissionais com nomes e funções específicas para determinadas tarefas, algo como “analista de conteúdo para mídias sociais” ou “especialista em perfurações de alto mar” e coisas do tipo.

Na música popular, há algum tempo atrás surgiu um hit “… ado, ado, ado, cada um no seu quadrado!” – sem querer tecer qualquer tipo de análise sócio-antropológica para este clássico do cancioneiro popular, temos que concordar que a mensagem desta ‘canção’ (ops) é direta e pertinente. O ditado popular diz que todo mundo tem um pouco de médico, de entendido nas coisas da política e mais outras atividades que não me recordo agora, mas mesmo este pensamento, na verdade, apenas explicita que todo mundo se acha expert em assuntos que não lhe dizem respeito ou que na verdade, o seu conhecimento é absolutamente rasteiro e comum.

Então a pergunta que não quer calar é porque temos pessoas que se julgam aptas a opinar e mesmo intrometer-se em áreas onde não possuem qualquer tipo de conhecimento ou embasamento técnico? O “eu acho” no meio gospel tupiniquim está tomando proporções assustadoras, ainda mais agora em que qualquer um pode se julgar apto a sair dando opiniões em seu blog ousite. E não pense que esta crítica está apenas direcionada aos adolescentes com espinhas na cara que não conseguem desenvolver mais do que 3 linhas de um texto sem erros absurdos de português e estilo, em seus pseudo blogs e sites tipo“pronto falei!”. Não! Esta crítica está direcionada também a todos os outros que cada vez mais se acham ‘entendidos’ em diferentes áreas de interesse.

Em 2013 completo 25 anos atuando no mercado cristão. Tive inúmeras experiências profissionais ao longo destes anos que ajudaram a formar o que eu sou hoje. Vários dos grandes artistas que hoje despontam nocenário gospel passaram por minhas mãos e nem por isso, me sinto no direito de intrometer-me no processo de seleção de repertório de um artista. O que costumo fazer é apenas conferir as músicas, orientar no processo de seleção, apontar caminhos, dar dicas, mas jamais impedir essa ou aquela canção se o cantor decidiu pela gravação. Preciso acreditar no feeling do artista e seu produtor. Esta é minha forma de trabalhar. Mesmo com minha equipe, procuro apenas acompanhar e orientá-los quanto ao trabalho, mas prioritariamente, as decisões e principalmente o dia a dia, é sempre decidido por eles.

Recentemente conversando com um amigo de outra gravadora ele desabafou sobre a dificuldade que estava tendo com um artista que queria direcionar tudo com relação ao projeto. Desde a sessão de fotos, passando pela criação do designer e acabando no plano estratégico de lançamento e investimentos em mídias. Este amigo me comentou que o artista em questão não tinha sequer o segundo grau completo, mas se achava no direito de corrigir textos e de dirigir o processo de produção das peças publicitárias. E que depois de tantas e seguidas interferências, o resultado de seu projeto estava muito aquém do planejado inicialmente. A capa do CD ficou ‘estranha’, o projeto gráfico em si, pareceu mais um catálogo da AVON do que um encarte de CD e oclipe teve mais do mesmo com aquelas novelinhas já usadas à exaustão.

E o mais impressionante é que esta atitude é recorrente em boa parte dos artistas do segmento. Há duas semanas atrás ouvi de um diretor de vídeo a pérola de que os fãs de determinada cantora estavam questionando a ele sobre o roteiro de um clipe como se estes fossem cineastas ou algo do tipo. Ainda na mesma cobrança, estes mesmos “Glauber Rocha da Segunda Divisão” cobravam maior agilidade na entrega do clipe, afinal, as imagens haviam sido gravadas há 2 semanas atrás. My God! É o clipe ‘pastelaria’, fritou … tá pronto! E muitas das vezes, os artistas têm dado ouvidos a estes comentários “profundos” dos entendidos de plantão formados em cursos de correspondência.

É importante que cada qual entenda o seu papel no sistema em que está inserido. Se o dito cujo cuida da agenda do artista, então foque em dar o melhor tratamento aos contratantes e solicitantes. Além disso, busque ampliar seu leque de contatos, priorizando inclusive a presença de seu cantor nos principais eventos e shows pelo país. Conseguindo isso, ufa! , será mais do que suficiente. Se o seu trabalho é produzir, então foque em sua atividade, busque os melhores repertórios, os melhores músicos, os melhoresequipamentos e técnicos. Conseguindo isso, genial!, você será um grande profissional! Se você é alguém que admira o trabalho de algum cantor e querajudá-lo de verdade, junte seus amigos de mesmo gosto e faça um mutirão junto às rádios de sua região. Liguem para as emissoras e peçam pela música de seu artista preferido. Vocês podem também pedir às igrejas e eventos locais para que este artista seja convidado para apresentações em sua região. Podem ainda, ajudar ampliando o número de seguidores deste artista nas redes sociais. Fazendo dessa forma, formidável!, o seu artista será cada vez mais conhecido pelo público e poderá desenvolver seu trabalho cada vez melhor.

Agora, se você é cantor … a dica é muito simples, apenas cante, leve a mensagem de Deus para os quatro cantos, seja simpático com as pessoas, trabalhe bastante, tenha disposição, esteja apto para contribuir no esforço de divulgação de sua gravadora ou mesmo equipe de apoio. Simplesmente cante e quando solicitado, opine … sua opinião é sempre importante e levada em consideração, mas por favor, deixe que o designer faça as artes, que o profissional de marketing elabore o plano estratégico, que a equipe de vendas cuide da área comercial, que o diretor do clipe faça o roteiro e administre a edição … enfim, que você respeite os profissionais à sua volta. Seguindo esta dica, Oh! Aleluias!, tenho certeza de que você terá sucesso em sua carreira e levará sua vida de forma bem mais leve e equilibrada.

Ado … Ado … Ado … cada um no seu Quadrado!

Mauricio Soares, publicitário, jornalista, profissional do mercado fonográfico e só. Não me julgo apto a discutir sobre física nuclear, pintura (nem mesmo de parede), medicina, yoga, técnicas de auto-defesa, culinária contemporânea, design deinteriores, UFC, situação econômica do leste europeu, celebridades, moda minimalista, botânica, zoonoses, computação eletrônica, mangá, cirurgia de miopia, taxa cambial, entre outros assuntos. 

Mauricio Soares, publicitário, jornalista, observador, caixeiro-viajante que morre de saudades de casa, atuando no mercado gospel há alguns anos e confiante de que em algum dia as coisas ficarão mais fáceis para todos nós que militam nestesegmento.

Deixe uma resposta