SHOPPING CART

Marketing Digital

Até bem pouco tempo atrás era comum encontrar colado nos vidros de alguns carros aqui no Rio de Janeiro adesivos com a mensagem: Compra e Venda de imóveis só com Corretores! Não me recordo se o texto era exatamente este, mas o conceito é o mesmo! Ou seja, para atividades relacionadas à compra e venda de imóveis o ideal é ter o suporte de um profissional qualificado, credenciado no sindicato e tudo mais! Além de reforçar a ideia de que o profissional especializado deve ser prestigiado, este alerta também serve contra aquelas pessoas que não possuem capacidade ou principalmente instrução para desempenhar as referidas atividades profissionais.

Há poucos dias atrás entrei numa conversa com um jovem produtor pelas redes sociais. Ele me dizia que constantemente produzia artistas independentes, que estes investiam bastante na produção do projeto, muitas das vezes até mesmo no exterior e, que depois de finalizado, estes mesmos artistas não sabiam o que deveriam fazer com seu disco. Isto é mais comum do que se possa imaginar! Na verdade, vejo este ‘desespero’ acontecer quase que de forma cotidiana onde os artistas literalmente ficam na estrada sem saber o que fazer ou ainda, pior, são achacados por aproveitadores que prometem atalhos para o sucesso! Exatamente o mesmo conceito do ‘corretor de imóveis’.

O nosso meio é muito interessante, muito peculiar e é impressionante como certas fases e modismos são muito claras e distintas. No princípio de tudo, os próprios artistas cuidavam de tudo. Atendiam às ligações, negociavam as ‘ofertas de amor’, organizavam a logística de viagem, cuidavam do estoque de LPs e tudo mais. Tempos depois tivemos a fase em que todo o artista precisava de um secretário ou ajudante. Lembro-me de um amigo cantor que atendia sua ligação como Edson, mudava até a voz ao telefone … depois de atender e resolver tudo da ligação ele se virava pra mim e na maior tranquilidade dizia, artista tem que ter secretário … o Edson é o meu secretário! Mais non sense impossível! A função desta pessoa era atender telefone, negociar cachês e organizar tudo do artista. Alguns extrapolavam suas atividades e ficavam como verdadeiros mocambos atentos às necessidades de suas sinhazinhas, algo surreal! Tempos depois este mesmo secretário, quando não eram os esposos, esposas, primos e cunhados, passaram a cuidar não somente de um único artista mas também de outros 2 ou 3 nomes. Saímos da fase mais amadora e partimos daí em direção a um passo além para a fase semi-profissional. Alguns destes secretários criaram seus escritórios com maior estrutura e tentaram de alguma forma, até mesmo intuitiva, trazer um pouco mais de organização, métodos e profissionalismo.

Depois houve uma nova fase em que alguns grandes artistas buscaram apoio em escritórios mais robustos, muitos inclusive, que também atuavam na área de música popular. Ainda hoje há esta iniciativa, mas efetivamente não conheço um único artista gospel que tenha se destacado com sucesso nesta empreitada. Muitas tentativas, muitas promessas, muitas expectativas e de verdade, pouco resultado! O nosso meio é muito específico e os escritórios seculares ainda não possuem expertise e pessoal preparado para fazer esse tipo de trabalho. Saindo da tendência dos escritórios e secretários, vivenciamos a era dos assessores de imprensa. My God! Foi uma explosão de assessores e açessores de imprensa representando os artistas. Num certo momento tornou-se chique ter um assessor de imprensa. A verdade é que muita gente sem o diploma de jornalismo começou a se aventurar nessa seara e a qualidade dos serviços foi deplorável. Como recebo muitos e-mails por dia, também acabo entrando em mailing lists de alguns assessores de imprensa e confesso que ler muitos dos releases enviados (ou seriam relixos?) são dignos de pena e de muitas risadas. A qualidade dos textos é sofrível, os artistas que são apresentados como ‘a nova sensação do momento’ ou ‘um dos CDs mais esperados’( por quem?) se iludem com este tipo de trabalho. Plantar uma nota num site ou mesmo numa revista ou jornal do meio, não chega a ser resultado de um trabalho tão profissional, basta ter um ou dois contatos, ser amigo daquele ‘editor’ ou algo do tipo. E vamos combinar também que a própria qualidade dos sites de notícias cristãs é bastante questionável em nossos arraiais.

Pronto! O staff para os artistas já começava a tomar forma. O manager, o assessor de imprensa, a própria banda, o marido, cunhado ou esposa, alguns artistas mais organizados incluíam até fotógrafos ou videomakers na entourage. Ou seja, indícios de que a fase amadora já acabara e que agora era a hora dos principais artistas do segmento terem um suporte mais profissional para suas carreiras. Aí vieram as mudanças no mercado, redes sociais, conteúdo instantâneo, Facebook, vendas digitais, novas plataformas, queda das vendas físicas, enfim, novos hábitos e demandas surgiram, antigas prioridades desapareceram e nesse turbilhão eis que surge mais um profissional indispensável na equipe de todo artista que deseja se posicionar com qualidade neste mercado tão competitivo: o profissional de marketing digital.

Acho que acabei alongando-me demais na introdução para o tema principal de nosso post, mas confesso que à medida que escrevia e pensava em todas estas fases citadas acima, mais e mais ideias brotaram em minha mente e até uma certa nostalgia também ameaçou aparecer, então peço desculpas se estendi-me além da conta, mas creio que foi por uma boa causa. Mas voltando ao tema central, hoje em dia todo artista que pretende seguir de forma profissional sua carreira não pode dispensar a presença de alguém que desenvolva estratégias de marketing no ambiente digital para alavancar sua arte e principalmente, sua marca. Sim, todo artista por mais que isso possa gerar um certo desconforto aos mais puristas, no fundo cada artista é um formador de opinião e uma marca ambulante!

Assim como no caso dos corretores de imóveis, dos assessores de imprensa e mesmo com os managers, é fundamental que todo artista tenha o entendimento de que não há espaço para gambiarras, jeitinhos ou ajuda humanitária quando se trata de cuidados para a carreira artística. Todos os artistas precisam estar cercados por profissionais experientes, gabaritados, estudiosos de suas atividades e sempre em processo de reciclagem. E, é claro, que um profissional deste naipe tem seu custo e isso deve ser visto pelo artista nunca como despesa, mas sim como investimento. O problema é que quando você como consumidor (ou mesmo empregador) não tem noção muito clara das demandas, acaba achando que aquele determinado jovenzinho de bom coração e muito solícito dá conta do recado. Não! Por favor, não caia nesta armadilha! Estamos falando de carreira e com isso não se brinca ou se deixa nas mãos de amadores.

Nos últimos dias tenho visto alguns artistas se jactando de terem um assessor de marketing digital. O problema é que um profissional desta área não se atém unicamente a criar posts e flyers bonitinhos e modernos para se postar na fanpage! Ou que escreve mensagens para o Twitter, ou mesmo que posta fotinhas engraçadas no Instagram. Nada disso! Marketing digital é antes de tudo, método, análise, pesquisa e estratégia. Um profissional de marketing digital é aquele que tudo observa e procura em cima de fatos, dados e pesquisas, estabelecer ações que potencializem o trabalho do determinado artista, seja na visualização de vídeos e conteúdos como também na própria venda de produtos, fortalecimento da marca e relevância.

No meio gospel ainda há poucas empresas desenvolvendo este tipo de trabalho com qualidade, mas já existem algumas que podemos destacar nesse mercado. É importante que antes de sair contratando o primeiro fã que se oferece para contribuir voluntariamente com suas redes sociais, o artista pesquise sobre algumas empresas, modelos de contratos, prestação de serviços e custos de investimento. No médio e longo prazos, certamente estes investimentos terão retorno garantido e trarão resultados sólidos para a carreira artística.

É importante ressaltar que a fase da busca desenfreada por seguidores já passou! É impressionante como teve gente se iludindo de que comprando seguidores seria mais popular. Pelo contrário, hoje vejo com um verdadeiro mico o artista que anabolizou seus seguidores. O que importa não é quantidade, mas efetivamente qualidade e engajamento dos seguidores. Vejo artistas com 3 milhões de seguidores e com postagens curtidas por 23 pessoas e compartilhadas por outras 4 … que resultado efetivo isso tem? Absolutamente nenhum! O profissional de marketing serve, entre outras coisas, justamente para melhorar a comunicação entre a fonte e o receptor, entre o artista e seus seguidores. Quando um post é publicado no momento certo, com conteúdo adequado, certamente seu alcance será enorme! Estas estratégias são desenvolvidas pelo profissional de marketing digital.

Recentemente tanto Leonardo Gonçalves como Gabriela Rocha lançaram seus projetos e ambos tiveram (e ainda tem!) estratégias bem definidas de marketing digital. Coincidência ou não, todos os dois artistas destacaram-se nas vendas no iTunes, nas vendas físicas e seus vídeos alcançaram enorme repercussão e visualização na VEVO/YouTube. Por consequência também, suas agendas neste momento estão intensas e a marca Leonardo Gonçalves e Gabriela Rocha mantêm-se firmes em viés de alta. Como diz o técnico de futebol Muricy Ramalho: “Aqui é trabalho meu filho!”

Em resumo, como em qualquer atividade é fundamental que um profissional seja consultado. Não há atalhos, não há mágica, não há truques! Não há qualidade em resultados nas mãos de amadores ou pior, de ‘vendedores de ilusões’. Hoje em dia, o suporte de um profissional de marketing digital é quase vital, eu digo quase, porque em se tratando de arte e fé, nada é 100% lógico porque quando Deus resolve agir, nada pode impedir. Mas se você não quer ficar apenas na dependência de milagres, é bom fazer a sua parte!

 

Mauricio Soares, publicitário, jornalista, consultor de marketing, palestrante e arguto observador do meio gospel

Mauricio Soares, publicitário, jornalista, observador, caixeiro-viajante que morre de saudades de casa, atuando no mercado gospel há alguns anos e confiante de que em algum dia as coisas ficarão mais fáceis para todos nós que militam nestesegmento.

2 Comments

Deixe uma resposta