SHOPPING CART

Nas Redes Sociais, publicidade é tiro no escuro

Falta de planejamento e de conhecimento da própria imagem na internet levam marcas a estratégias erradas
Nem sempre as campanhas publicitárias feitas para as redes sociais conseguem atingir o seu objetivo. Pelo contrário. Como o público em sites como Orkut, Facebook e Twitter é muito diversificado e já responde por cerca de 77% dos usuários da internet no Brasil, as ações de marketing acabam sendo um tiro no escuro. E muitas das vezes o resultado é desastroso, apontam especialistas do setor.
As iniciativas visam a atingir, segundo a consultoria ComScore, 34,2 milhões dos usuários presentes nas redes sociais. O número, de fevereiro deste ano, já é 16% maior em relação ao mesmo mês de 2009. Na liderança, está o Orkut, da Google com 24,6 milhões. Em seguida, aparecem o Windows Live com 11 milhões, o Twitter com 6 milhões e o Facebook com 5 milhões de usuários.
Na opinião de Tiago Turini, diretor do Direct Performance, empresa de mídia digital, não se pode mais ignorar esse novo segmento de mídia , apesar das dificuldades de se conseguir medir a demanda. Cody Simms, diretor sênior de Plataforma Aberta da Yahoo!, destaca a importância das empresas implantarem estratégias de mídia social específicas a fim de manter o seu nome na rede.
– As redes sociais são uma ferramenta poderosa de envolvimento para todas as empresas – afirmou Simms, em viagem recente ao Brasil.
Aliado à falta de planejamento, muitas empresas criam ações sem antes avaliar qual é sua imagem na rede. Com isso, dizem os especialistas, o que deveria ser um espaço de marketing, acaba virando central de atendimento ao cliente.  Outro exemplo são as promoções pouco transparentes. Regina Camargo, gerente de marketing da OMO, ressalta que as redes são interativas e a marca tem de estar preparada para tudo:
– Aprendemos com a experiência. A mídia digital é uma conversa constante. O consumidor não é só um observador.
É por isso que muitas têm apostado no planejamento. Além da OMO, a Skol conta com uma equipe de 15 pessoas que avaliam sua imagem na rede antes de fazer ações específicas, para cada site.
– Em 2009, adotamos uma estratégia interativa. Procuramos entender o funcionamento de cada rede social – diz Sérgio Eleutério, gerente da Plataforma Jovem da Skol.
Por Bruno Rosa, Jornal O Globo
Como sempre procuramos analisar as notícias do ponto de vista do mercado cristão, afinal esta é a razão de ser do Observatório Cristão, o que podemos constatar nesta matéria publicada recentemente no Jornal O Globo é que este ambiente de interatividade proporcionado pela web e redes sociais ainda não foi compreendido na sua totalidade pelo mercado. Poucas empresas já estão entendendo melhor as múltiplas possibilidades deste novo ambiente, mas grande parte ainda erra absurdamente nas ações e estratégias na web. O que percebemos é que as empresas que hoje conseguem desenvolver um trabalho de maior qualidade baseiam-se apenas na experiência de erros e acertos do próprio dia-a-dia.
Na Sony Music Brasil, o departamento digital da companhia conta hoje com 14 profissionais dedicados às inúmeras ações de marketing, novos negócios e estratégia. No departamento de marketing estratégico são mais 3 profissionais específicos para as redes sociais. Já no novo departamento gospel da gravadora, são 5 profissionais atuando diretamente nas redes sociais e web municiando a todos com as últimas notícias da gravadora nos projetos nacional e internacional.
Planejamento e observação são conceitos importantes neste momento em se tratando de web e suas ferramentas. Certamente quem sair na frente irá deter a expertise deste negócio e terá retorno mais rápido do que aqueles que ainda estão retrucando a realidade virtual como o futuro do mercado mundial.

Falta de planejamento e de conhecimento da própria imagem na internet levam marcas a estratégias erradas

Nem sempre as campanhas publicitárias feitas para as redes sociais conseguem atingir o seu objetivo. Pelo contrário. Como o público em sites como Orkut, Facebook e Twitter é muito diversificado e já responde por cerca de 77% dos usuários da internet no Brasil, as ações de marketing acabam sendo um tiro no escuro. E muitas das vezes o resultado é desastroso, apontam especialistas do setor.

redes-sociais

As iniciativas visam a atingir, segundo a consultoria ComScore, 34,2 milhões dos usuários presentes nas redes sociais. O número, de fevereiro deste ano, já é 16% maior em relação ao mesmo mês de 2009. Na liderança, está o Orkut, da Google com 24,6 milhões. Em seguida, aparecem o Windows Live com 11 milhões, o Twitter com 6 milhões e o Facebook com 5 milhões de usuários.

Na opinião de Tiago Turini, diretor do Direct Performance, empresa de mídia digital, não se pode mais ignorar esse novo segmento de mídia , apesar das dificuldades de se conseguir medir a demanda. Cody Simms, diretor sênior de Plataforma Aberta da Yahoo!, destaca a importância das empresas implantarem estratégias de mídia social específicas a fim de manter o seu nome na rede.

– As redes sociais são uma ferramenta poderosa de envolvimento para todas as empresas – afirmou Simms, em viagem recente ao Brasil.

Aliado à falta de planejamento, muitas empresas criam ações sem antes avaliar qual é sua imagem na rede. Com isso, dizem os especialistas, o que deveria ser um espaço de marketing, acaba virando central de atendimento ao cliente.  Outro exemplo são as promoções pouco transparentes. Regina Camargo, gerente de marketing da OMO, ressalta que as redes são interativas e a marca tem de estar preparada para tudo:

– Aprendemos com a experiência. A mídia digital é uma conversa constante. O consumidor não é só um observador.

É por isso que muitas têm apostado no planejamento. Além da OMO, a Skol conta com uma equipe de 15 pessoas que avaliam sua imagem na rede antes de fazer ações específicas, para cada site.

– Em 2009, adotamos uma estratégia interativa. Procuramos entender o funcionamento de cada rede social – diz Sérgio Eleutério, gerente da Plataforma Jovem da Skol.

Por Bruno Rosa, Jornal O Globo

Como sempre procuramos analisar as notícias do ponto de vista do mercado cristão, afinal esta é a razão de ser do Observatório Cristão, o que podemos constatar nesta matéria publicada recentemente no Jornal O Globo é que este ambiente de interatividade proporcionado pela web e redes sociais ainda não foi compreendido na sua totalidade pelo mercado. Poucas empresas já estão entendendo melhor as múltiplas possibilidades deste novo ambiente, mas grande parte ainda erra absurdamente nas ações e estratégias na web. O que percebemos é que as empresas que hoje conseguem desenvolver um trabalho de maior qualidade baseiam-se apenas na experiência de erros e acertos do próprio dia-a-dia.

Na Sony Music Brasil, o departamento digital da companhia conta hoje com 14 profissionais dedicados às inúmeras ações de marketing, novos negócios e estratégia. No departamento de marketing estratégico são mais 3 profissionais específicos para as redes sociais. Já no novo departamento gospel da gravadora, são 5 profissionais atuando diretamente nas redes sociais e web municiando a todos com as últimas notícias da gravadora nos projetos nacional e internacional.

Planejamento e observação são conceitos importantes neste momento em se tratando de web e suas ferramentas. Certamente quem sair na frente irá deter a expertise deste negócio e terá retorno mais rápido do que aqueles que ainda estão retrucando a realidade virtual como o futuro do mercado mundial.

6 Comments

Deixe uma resposta