NOVAS FERRAMENTAS PARA NOVOS TEMPOS

Como já mencionei em outros posts mais recentes, aos poucos vamos readquirindo a velha forma. Quero agradecer imensamente o carinho de tantas e tantas mensagens que recebi nos últimos dias de gente comemorando a volta do blog e o novo visual. Estas manifestações me levam até a crer que temos mesmo um pouco mais de 66 leitores ávidos por novos textos e novidades do Observatório Cristão.
Vivemos dias alucinantes, corridos e com muitas novidades. A velocidade com que lidamos com as transformações nos dá uma sensação constante de que estamos sempre tentando recuperar algo perdido. É como aquele empreendedor que acaba de montar um estúdio de gravação com o que há de mais moderno em equipamentos e periféricos. Só que passados 6 meses, já temos outros equipamentos que acabam deixando a sensação de obsolescência em nossa mente.
O mercado fonográfico vive essa mesma tendência tal a quantidade de novas plataformas, tendências, tecnologias e aplicativos que surgem dia a dia. Então se você pretende manter-se um pouco antenado nas novidades desse meio, sugiro que preste atenção neste texto.
Constantemente tenho a oportunidade de conversar com artistas, sejam os “medalhões” ou jovens iniciantes na carreira artística e, sempre estes querem saber sobre como devem proceder para ter o máximo desempenho junto ao público, mídias e o mercado como um todo.
Já tivemos diversas estratégias ao longo dos anos que se mostraram extremamente eficazes e que hoje não surtem efeito algum. Sou do tempo em que o material de divulgação do artista limitava-se a cartazes off set com espaço no rodapé para que o promotor do evento inserisse à caneta mesmo, a data e o local do evento. Também tivemos uma época de bonés, chaveiros, camisetas e outros brindes que mais se assemelhavam aos presentes que os políticos distribuíam em eleições. Os cartazes em papel foram sendo substituídos por banners que além de terem mais tempo de vida útil ainda traziam um visual mais moderno ao produto e mesmo às lojas. Recordo-me que quando as gravadoras começaram a investir em banners a disputa por espaço nos pontos de vendas tornou-se acirrada porque eram 20, 30, 50 banners para lojas que não ultrapassavam 20 metros quadrados de área. Uma poluição visual absurda!
Hoje em dia, boa parte das gravadoras sequer tem condições de investir em materiais de ponto de vendas. Raríssimos são os projetos que saem para o mercado com farto material promocional. Tempos atrás era tão farta a opção por camisetas de artistas que algumas lojas chegaram ao cúmulo de cobrar pelo uso das camisetas. Atualmente quando algum artista ou gravadora disponibiliza camisetas promocionais são disputadas a tapas pelos lojistas e suas equipes de venda.
Com a popularização da web e dos recursos tecnológicos, o marketing promocional migrou para as redes sociais e ações estratégicas digitais. Entre tantas ferramentas que encontram-se atualmente à disposição (e que muita gente ainda sequer conhece) gostaria de destacar a importância do conteúdo em vídeo. Não estou falando tão somente de vídeo clipes, mas de todo e qualquer conteúdo em vídeo que contribua para a divulgação do artista, sua obra e projetos.
Até algum tempo atrás, investir na gravação de um clipe significava unicamente apostar que aquele material iria contribuir para a popularização do artista e de sua canção. Canais de TV exclusivos para divulgar estes clipes surgiram em todo o mundo e tornaram importantes e muitas das vezes vitais, parceiros para alavancar a carreira de artistas. Investimentos de milhões de dólares transformaram muito clipes em super produções cinematográficas onde o roteiro, artistas participantes, cenários e tecnologias eram tão ou mais importantes que os próprios artistas e sua arte.
Dentro das mudanças do cenário fonográfico, o clipe e todos os conteúdos em vídeo não só são importantes ferramentas de popularização dos artistas como também já são significativas fontes de receita. Se até uns anos atrás clipe significava investimento sem retorno palpável, atualmente temos como mensurar racionalmente o retorno financeiro destas iniciativas.
Uma dica importante é que todo artista precisa criar um canal exclusivo para conteúdo em vídeo. Para os artistas onde suas respectivas gravadoras possuem acesso a VEVO, o principal portal de vídeos musicais do mundo, naturalmente são criados canais exclusivos para eles. Nesta plataforma inovadora e com enorme qualidade em vídeo, o conteúdo não pode ser postado diretamente por fãs ou artista. Todo o processo é feito pela gravadora diretamente com o escritório da VEVO no exterior. A plataforma não permite a postagem de vídeos que não estejam diretamente ligados à música. Para aqueles que não têm acesso a VEVO, o caminho é criar o canal no YouTube e informar-se sobre como tornar monetizado o seu conteúdo. De forma simples, quanto mais views, mais dinheiro na conta!
Com esta nova fonte de receita, cada vez mais os artistas deverão focar suas estratégias produzindo conteúdo em vídeo, não necessariamente clipes elaborados, roteirizados, mega produção. Quando falamos em conteúdo em vídeo queremos dizer de clipes a Lyric Videos e mesmo Pseudo Vídeos, ensaios, acústicos e coisas do tipo. O importante é ter bom senso, bom gosto e o suporte de bons profissionais. Não imagine que postar qualquer coisa na web pode gerar receitas … em alguns casos esse afã de publicar vídeos pode gerar uma autêntica ‘bola fora’ no melhor estilo “Para Nossa Alegria”. Muito cuidado!

Mauricio Soares, publicitário, jornalista, alguém que recebe em média uns 15 a 20 clipes para assistir “com carinho”. Haja carinho!!!!!

Mauricio Soares, publicitário, jornalista, observador, caixeiro-viajante que morre de saudades de casa, atuando no mercado gospel há alguns anos e confiante de que em algum dia as coisas ficarão mais fáceis para todos nós que militam nestesegmento.

One Comment

  • Paulo Ricardo

    18/07/2014 at 18:18

    É meu amigo e quem não se atualiza acaba ficando de lado. Os novos tempos exigem uma pitada a mais de sabedoria, dedicação e fé. Abraços!

    Responder

Deixe uma resposta