Observando e divagando sobre o blog

bl

Em mais um momento aero-literário voltamos ao nosso espaço de pensamentos, dicas, análises e principalmente deleite próprio. Esse blog que começou de forma completamente descompromissada e leve, hoje já assume uma posição mais importante no meu dia-a-dia e, por incrível que possa parecer, também na vida de 33 leitores ou um pouco mais de pessoas espalhadas pelo país.

Em minha recente estada em Curitiba tive o enorme prazer de conversar com muitas pessoas e entre tantas que me deram a felicidade de um bom papo, muitas me confidenciaram seguir religiosamente o Observatório Cristão. Acho que pelo menos umas 10 pessoas comentaram que liam sistematicamente nosso blog.

Escrever no blog tem sido um prazer que venho cultivando há quase dois anos. Quando convidei os dois outros editores para participarem do projeto, minha intenção era de criar um espaço informativo sobre assuntos relacionados ao mercado cristão. Minha intenção era à época comentar sobre estratégias de mercado das gravadoras e editoras, falar sobre lançamentos fonográficos e editoriais, discorrer sobre novidades, tecnologia, pesquisas, números, relatórios, ou seja, minha presunção era seguir uma linha de Revista Exame do mercado gospel.

Como vocês certamente perceberam, o blog, quase que por uma vontade própria foi seguindo um caminho diferente do que eu havia inicialmente traçado. As pautas sobre comportamento foram surgindo. Muitos textos sobre o dia-a-dia do mundo das gravadoras e dos artistas foram tomando lugar de destaque e vez ou outra, surgiram temas ligados às artes, design e tecnologia.

O interesse dos leitores pelos textos com dicas no mundo musical demonstrou que tipo de assunto deveríamos focar dali em diante. Em nenhum momento de nossa breve história reunimos a ‘equipe’ para traçar metas, planos, estratégias. Nossas reuniões de pauta se resumiam a telefonemas e conversas no escritório sobre a reação dos leitores aos últimos posts, mas nada de muito profissional.

No melhor estilo “casa de ferreiro, espeto de pau”, jamais paramos para estabelecer metas ou coisas do tipo que tanto enfocamos e comentamos em nossos textos. E, particularmente, acho que nosso relativo sucesso está justamente nessa leveza e não compromisso por uma linha editorial definida. Não temos um foco em tratar de determinados assuntos só porque estes deram Ibope! Também não criamos uma linha editorial rígida, afinal nos permitimos em publicar textos sobre a vida do mundinho gospel e também textos mais teológicos e de comportamento ou mesmo, textos sobre tecnologia e afins.

No entanto, uma característica vejo ‘contaminar’ e ‘impregnar’ nossos textos. É recorrente encontramos um certo sarcasmo, um humor meio crítico e ácido em nossas observações, uma visão até mesmo ‘cariocada’ do nosso louco cotidiano. E o mais interessante é que este estilo acabou encontrando e influenciando alguns colaboradores que vez ou outra enviam suas contribuições para nós como o Jonas Paulo e o Mr. Pingo, só para citar alguns.

Nem sei o porquê comecei a fazer esse texto usando do conceito de Metalinguagem, ou seja, falar de si próprio, mas como comentei linhas acima, o texto e as idéias vão fluindo e meu trabalho é só colocá-las numa linha lógica de raciocínio.

Como já fui informado pelo piloto de que estamos em procedimento de descida, vou despedindo-me deixando algumas pílulas de sabedoria no melhor estilo Observatório Cristão.

Desconfie de quem adora dar palpites! Aceite opiniões apenas de quem tem currículo de realizações! No máximo ouça e retenha o que realmente julgar interessante. Se este alguém nunca produziu algo relevante, esse “palpiteiro” deve se restringir aos comentários sobre a novela das oito;

– Não grave uma música somente porque tal compositor tornou-se o “must do verão”. Geralmente, compositor que emplaca muitos sucessos simultâneos acaba se auto plagiando;

– Se você se auto produziu e a fórmula deu certo, esta fórmula pode se repetir por mais uma ou duas vezes apenas. Busque sempre a ajuda de um produtor para incrementar sua obra.

– Primo, cunhado, irmão não significam assessor de marketing, empresário, manager, personal stylist ou leão de chácara. Cerque-se de profissionais e não de sobrenomes comuns!

– A internet já é realidade. Não imagine que voltaremos ao tempo do telégrafo! Aprenda a lidar com as novas tecnologias!

Opa, a aeromoça já me olhou com aquela cara simpática de que se eu não desligar agora o computador causarei um desastre aéreo. Então, vamos em frente e espero revê-los em breve por aqui outras vezes!

__________________________________________

Mauricio Soares, jornalista, publicitário, pai de família, atleta de fim de semana, cozinheiro a cada 15 dias, leitor compulsivo e torcedor do Fluminense.

38 Comments

Deixe uma resposta para Fc_DiamanteFerrero Cancelar resposta