SHOPPING CART

Observando novidades na relação público e artista

O crescimento da música gospel nos últimos anos trouxe uma série de mudanças. Muitas das quais absolutamente impensadas anos atrás. Não precisando voltar muitos anos no Túnel do Tempo (para aqueles acima de 40 anos, como esse blogueiro, a lembrança do seriado de TV em preto e branco é inevitável!) podemos lembrar que algumas palavras como “Cachê”, “Show” ou mesmo “Artista” eram sinônimos de secularismo, profano ou algo do tipo. Mas nenhuma palavra ou expressão era mais assustadoramente combatida do que a diminuta “fã”. Sim, “fã” era uma palavra que remetia imediatamente à origem “fanatismo”, algo completamente inaceitável nas hostes evangélicas. No reino do eufemismo e do evangelicamente correto, o mais aceitável era apenas dizer que fulano de tal era um admirador do artista‘ (ops! Ato falho … levita, cantor ou cantora!).

E aí, dentre as mudanças de comportamento e da cultura da música evangélica do século 21, nos deparamos com o surgimento de Fã-Clubes de artistas de música gospel. É interessante ver como esse comportamento vem sendo disseminado de norte a sul do país e muitas das vezes reparamos um movimento bastante radical na defesa de suas artistas de preferência. Uso o termo no gênero feminino porque ainda são mais raros os Fã-Clubes – apesar de também existirem – de cantores no universo gospel brazuca.

Em tempo de redes sociais, as informações e as relações humanas se intensificaram como nunca antes na história desse planeta. Hoje você pode manter uma “amizade” com alguém no Alasca sem que nunca tenha sequer visto essa pessoa em carne e osso. E é justamente neste ambiente web onde tem se desenvolvido boa parte deste fenômeno. Comunidades, blogs, twitters, sites especializados e farto material e informação sobre os artistas tornam-se cada vez mais acessíveis.

Entendendo que essa admiração e carinho jamais poderão extrapolar o  bom senso e principalmente os conceitos ético-cristãos, enumerei algumas dicas e ações que essa turminha, em sua grande maioria formada por adolescentes no auge da explosão hormonal, podem desenvolver de forma positiva para seus artistas.

1)                Mobilize seus amigos para mutirões de contato com as mídias locais. Um dos maiores indicativos para que uma determinada música seja executada numa rádio é a quantidade de ligações de ouvintes solicitando pela mesma. Se uma música não é pedida pelos ouvintes, naturalmente deixará de ser executada na rádio. Então, liste as principais emissoras de sua rádio e crie uma campanha para pedir a música de sua artista nas rádios locais.

2)                Crie um blog ou site informativo da artista. Se este espaço se tornar uma fonte importante de notícias, naturalmente o blog ou site será uma referência importante sobre os projetos, carreiras e novidades da artista. Mantenha esse espaço sempre atualizado. Cuidado para não criar um Frankenstein, capriche no visual do site. Lembre-se que ele é um portal de divulgação de sua artista. Cuide da imagem dela ou dele!

3)                Crie contas personalizadas nas redes sociais. Não utilize esse espaço para comentar coisas pessoais, apenas assuntos relacionados ao artista em questão ou ao site, blog. Também não faça deste espaço uma trincheira atacando todos seus opositores. Paz esteja convosco!

4)                Não procure polemizar com outros fã-clubes! Cada um acha o seu artista o supra sumo da música gospel mundial, quiçá interplanetária, a última bolacha do pacote … então respeite a loucura do próximo! Você também é meio doido! Saiba disso!

5)                Ajude a divulgar eventos da agenda de sua artista. Se possível, até marque presença nos eventos. Aproveite e tire uma foto de recordação rostinho colado com sua artista!

6)                Não confunda admiração com amizade, intimidade ou falta de respeito! O artista tem e deve ter sua vida privada! Não ultrapasse os limites da boa convivência! O artista deve respeitar seus admiradores, mas não tem que aturar todo tipo de inconveniência, lembre-se disso! Como nos pára-choques de caminhão e ônibus: mantenha a distância segura!

7)                Não seja o chato de plantão repetindo sempre a mesma ladainha! Todos sabemos da sua admiração pelo artista, mas não precisa achar que até a desafinação do artista incensado é um atributo especial! Não fique repetindo como um mantra que seu artista é isso ou aquilo … ok?

8)                Seu artista é humano, sabia? Coelhinho da Páscoa e nem Papai Noel não existem, ok? Então saiba também que seu artista tem falhas, tem dias ruins, tem discos ruins, tem TPM e coisas que qualquer ser humano (sim, os artistas são humanos!) passa um dia!

9)                Jamais cobre da gravadora de seu artista por mais atenção! Esta relação é restrita entre o artista e sua gravadora. Se o artista entender que algo precisa ser corrigido, deve buscar contato com sua gravadora. Não dê uma de “JACI,” certo? Ah! Não sabe o que é “JACI”… um dia eu conto!

10)          Cada gravadora tem o tempo de lançamento e divulgação de cada artista/projeto. Mesmo sendo um fã ardoroso, você precisa entender que de repente naquele momento sua artista não é a prioridade de divulgação da empresa. Certamente no lançamento do seu projeto, sua artista terá todos os holofotes da empresa.  Então respire fundo e espere o tempo certo para ver a gravadora divulgando sua artista!

11)          Nunca exagere no carinho e admiração por seu artista. Lembre-se que ninguém deve ser mais importante do que seus amigos, familiares, você mesmo e, claro, Jesus Cristo. Nada deve substituir nosso amor, relacionamento e admiração por aquele que é o único merecedor de toda nossa atenção!

 

Mauricio Soares, blogueiro, torcedor do Fluminense, publicitário e fã de cinema, boa comida e de uma boa viagem em família.

Mauricio Soares, publicitário, jornalista, observador, caixeiro-viajante que morre de saudades de casa, atuando no mercado gospel há alguns anos e confiante de que em algum dia as coisas ficarão mais fáceis para todos nós que militam nestesegmento.

Deixe uma resposta