Home Humor Pérolas selecionadas no dia a dia ou coletânea do sem noção

Pérolas selecionadas no dia a dia ou coletânea do sem noção

2 1014

Diariamente recebo em média 250 emails sobre os mais variados assuntos. E engana-se quem imagina que este fluxo diminui nos fins de semana e feriados. Pelo contrário, muitas das vezes justamente neste período minha caixa postal transborda com mais de 350 mensagens. E como tenho algum TOC – transtorno obsessivo compulsivo – algo não me permite desligar o computador após um dia de intenso trabalho sem ao menos dar uma olhada em todos os emails, a simples informação de que alguma mensagem recebida ainda nào foi devidamente lida, não me permito simplesmente deixar para o dia seguinte e desligar meu computador. Tenho uma estranha sensaçào de tarefa não concluída, o que não faz bem algum à minha mente. Tudo bem, estou confessando algum problema que carece de um estudo mais aprofundado, uma terapia talvez, mas enquanto não corro à procura de ajuda especializada sigo nesta neurótica atitude de zerar sempre minha caixa de entrada.

E entre tantas e tantas mensagens importantes, informações, negociações, apresentações, tarefas do cotidiano de um diretor A&R de uma gravadora multinacional, alguns emails me chamam a atenção e muitas das vezes, posso até confessar, que servem como um momento refrescante e relaxante no melhor estilo non sense, ou num bom português, sem noção alguma!!! Nos últimos 2 meses criei no meu Outlook uma pasta especial e coloquei o nome de Absurdos/Blog. Todos estes emails hilários, com mensagens estapafúrdias, inocentes, desprovidas de qualquer noção do que estão pedindo ou informando, resolvi redirecionar para esta pasta. A partir de agora vou apresentar aos meus seletos 66 leitores do blog alguns destes emails especial e criteriosamente pinçados para uma análise mais apurada.

“Sei que ninguém vai dar a devida atenção, mas …” – é o email profético, realmente com essa introdução nunca consigo ler mais do que alguns segundos … geralmente esses emails são direcionados para centenas e centenas de pessoas, muitas das quais em cópia aberta. Pela ausência de resultado e comentários, acredito que geralmente ninguém dá mesmo atenção.

“Minha esposa é levita há 19 anos, tem 12 discos gravados e é um sucesso aqui em Palmeira das Missões …” – definitivamente uma artista com muito tempo de estrada, tantos projetos gravados e que é sucesso num raio de míseros quilômetros, das duas uma: ou é alguém que se contenta com pouco e foca somente em cantar para os vizinhos ou não tem o menor apelo além do próprio quarteirão. Especialmente gravadoras estão focadas em jovens artistas, gente com enorme potencial de crescimento e hoje em dia, com muita adequação ao formato digital.

“Vocês precisam conhecer! Não deixem esse sucesso passar pelas suas mãos!” – este tipo de mensagem é mais recorrente do que se possa imaginar. A impressão é de que estamos diante de um novo Thalles que só precisa de um leve empurraozinho pra deslanchar de vez! Aquele ditado gauchesco do cavalo que passa encilhado e que você deve montar adequa-se a este tipo de mensagem. Confesso que também não dou muita atenção a este tipo de mensagem mesmo sendo alguém que está sempre à procura de novidades. Então, nestes casos, o melhor mesmo é deixar o cavalo correndo livremente pelo pasto …

“Eu quero informações de como faço pra gravar com vocês. Preciso analisar todas as possibilidades …” – outro típico contato sem noção em grau extremo! A impressão é de que o postulante a astro intergaláctico está sendo disputado por todas as gravadoras e cabe a ele, somente a ele, optar por esta ou aquela proposta. Muitas das vezes estas mensagens são acompanhadas de relatos emocionantes mostrando o que o artista vem conquistando nos últimos meses numa carreira meteórica.

“Quero um orçamento para gravar 10 músicas e ser contratado por vocês!” – uma subdivisão da mensagem “sem noção, onde estou? é pra comer ou pra beber?” é quando um incauto nos procura como se fôssemos um estúdio ou mesmo aquele tipo de gravadora que grava, distribui, lava e passa … antes de se enviar um email é fundamental ao menos pesquisar antes com quem se está falando. É o mínimo, não?

“O lançamento mais aguardado do ano!” – aguardado por quem cara-pálida? Se tem uma coisa que não curto são frases de efeito, hiperbolizadas, querendo trazer uma grandiosidade que definitivamente não existe. Coisas como “o maior nome”, “a grande revelação”, “ o mais espetacular da América Latina” só servem para diminuir o projeto em si. Quem é importante não precisa ficar se auto-elogiando o tempo todo.

“Tenho uma promessa e sei que ela vai se cumprir, você apenas precisa me dar uma oportunidade. Não irá se arrepender!” – nestes casos o apelo espiritual é latente! E você como diretor artístico não pode ser uma pedra de tropeço para que o prometido tenha acesso à sua ‘bença’ … se Ele prometeu, então é melhor que você pare tudo pra fazer parte da vitóóóóóória … é pra aplaudir de pé igreiiiixaaaaaa … Nestas horas você não tem nem muito o que dizer, simplesmente entender que se é promessa, Ele também vai mover terra e céu pra coisa acontecer. Mas isso tudo só se realiza com muita paz e convicção, não dá pra sair acreditando em tudo quanto é promessa porque senão aí a coisa fica feia pro seu lado!

“Sei que seu tempo é muito precioso, mas poderia assistir aos meus vídeos e me retornar dando suas impressões. Se possível, me ligue em horário comercial” – ao fim da mensagem links e mais links de apresentações em igrejas com aquela câmera tremendo, ângulos tortos e som pavoroso. Além disso, fotos e mais fotos, links de áudio e a carta de recomendação do pastor-presidente do campo … o mais surreal é a expectativa do dito cujo de que alguém irá pegar o telefone e falar sobre tudo o que foi ali apresentado.

“Tenho uma irmazinha na igreja em que congrego que ela canta demais! Você precisa conhecê-la!” – Não! Não preciso conhecer até porque se fosse a todos os cultos onde tem gente cantando bem, minha mulher e meus filhos me abandonariam … o meio gospel é pródigo em talentos! Pra chamar a atenção de uma gravadora cada vez mais o artista precisa estar com um caminho já iniciado. A história de gente cantando na igreja sendo descoberta e investida por uma gravadora hoje em dia simplesmente não existe!

“Quero muito louvar a Deus. Por favor, acredite e invista em mim para gravar um CD. Tenho um chamado para as nações!” – não confunda louvar a Deus e ter uma carreira artística. Louvar a Deus todos devemos, mas poucos são os que têm realmente condições de seguir numa carreira artística. Não confunda alhos e bugalhos como dizia meu avô! E na verdade, boa parte dos que dizem ter um chamado na verdade mesmo quer é viajar, tirar fotos, se apresentar aqui e ali … o duro é ter que trazer à realidade essa turminha que gosta de se iludir, mas posso assegurar que esta é uma das especialidades da casa … sempre às ordens!

Vou ficando por aqui. Infelizmente ainda tenho muitos outros exemplos de mensagens deste naipe chegando diariamente em nossos canais de contato. Se antigamente os profissionais de gravadoras eram abordados somente pessoalmente ou através de cartas, com o avanço da web e das plataformas sociais, essa distância praticamente sumiu. Em muitos casos esta facilidade ajudou bastante aos profissionais, já por outro lado, permitiu que qualquer um se sinta motivado a mandar sua mensagem, opiniões e pedidos. Coisas da modernidade!

Nos próximos dias teremos muitos textos inéditos no blog, pois a viagem até Fortaleza mostrou-se pródiga em insights, boas ideias e temas.

 

Mauricio Soares, publicitário, jornalista, torcedor do Fluminense, longânimo, alguém com o hábito de contar até 1 milhão antes de pular no pescoço alheio, tudo bem que às vezes a contagem é reduzida …

Notícias relacionadas

5 934

2 1216
  • TheKid

    Bah, tu diz isso só agora?! Vou ter que pensar em algo pra escapar dos filtros da tua mailbox! HAHAHA. Por acaso o blog tem newsletter? To há tempos acreditando nesse papo de “nos próximos dias teremos muitos textos inéditos no blog”… rs

    • Mauricio Soares

      Mr. TheKid, o blog tem essa tradição, ou seja, não ter a menor regra de novos textos publicados. Quando dá, publicamos textos inéditos e isso pode ser 3 dias ou 3 semanas. Este blog é uma diversão e prazer, antes de mais nada, então nada mais chato do que ter a obrigação de postar algo só pra manter a regra. Valeu por seu comentário! O certo é sempre dar uma conferida no blog e curtir os textos mais antigos.