Pode dar certo ou não! Quem garante? Eu não!

Outro dia destes fui surpreendido por uma mensagem em minha Timeline de um artista que havia trabalhado comigo comentando que em um dia havia vendido mais discos do que em todo tempo de gravadora. Naquela mensagem, sem dúvida, havia um notável exagero, mas também uma ponta indisfarçável de crítica. Minha reação foi automática e imediatamente respondi-o felicitando pelo incrível feito e desejei-lhe todo o sucesso do mundo. Em outras épocas talvez eu o respondesse de uma forma não tão leve eamistosa, mas a idade vai nos depurando e a própria experiência profissional nos torna pessoas mais compreensivas. Pelo menos comigo tem sido assim nos últimos anos …

Este acontecimento me fez repensar sobre uma questão que por muitas vezes pensei em escrever, mas somente agora, no meio de um vôo entre o Rio de Janeiro e Recife, que me animo a discorrer sobre o tema. Há possibilidades de um artista ser sucesso em uma determinada gravadora e não o sê-lo em outra e vice-versa? A resposta é sim, claro! Primeiro porque o sucesso é algo inconstante, nada racional. Em segundo lugar porque muitas das vezes a cultura de uma determinada empresa não é absorvida pelo artista ou ao contrário também, a gravadora não consegue interpretar a forma de trabalho e pensamento daquele artista. Em terceiro lugar, assim como o sucesso é efêmero, oscilante, o artista tem fases mais ou menos criativas e profícuas.

 

Podemos fazer uma analogia entre o artista e o atleta. Muitas das vezes existem jogadores de futebol que encaixam-se perfeitamente num determinado clube. Isso fica muito evidente em alguns clubes de menor expressão onde o atleta desempenha seu futebol com enorme categoria e destaque, mas apaga-se por completo ao ser contratado por um grande clube. Existem técnicos de futebol que conquistam campeonatos, que montam grandes equipes apenas emdeterminados clubes ou mesmo regiões do país. Isso é fato! E o mesmo podemos encontrar quando falamos do meio artístico. Temos inúmeros exemplos de determinados artistas que tornaram-se grandes apenas no período em que estiveram em uma específica gravadora. E mesmo nesta gravadora onde o artista X tornou-se grande, outro artista Y jamais alcançou a notoriedade.

Isto é um grande mistério e temos que saber conviver com estas questões de forma muito tranquila. Pude trabalhar com alguns artistas que tive que recuperar após anos de uma carreira desastrosa e complicada. Em pouco tempo conseguimos reverter todo aquele espectro ruim e transformá-lo em um artista do primeiro time no segmento. Já outros, vieram grandes, não adaptaram-se a uma nova empresa e simplesmente seguiram por outros caminhos. Isso é a vida! Nenhuma empresa consegue acertar 100% nos projetos a que se dedica. Isso faz parte do core business do mercado artístico onde os profissionais jamais têm o controle sobre o que será sucesso avassalador ouestrondoso fracasso. Por isso mesmo é que uma gravadora deve ter em seu cast diferentes estilos musicais e diversos nomes. Para desespero dos racionais profissionais de planejamento financeiro, uma gravadora é feita de sucessos, fracassos e apostas. Por eles, manteríamos em nosso cast, apenas os artistas com retorno garantido, mas quem garante que no próximo ano este mesmo artista será sucesso ou se o fracasso de hoje poderá ser o sucesso de amanhã?

 

Recordo-me de um artista que ilustra bem essa situação. Há alguns anos atrás, recebi um jovem cantor acabando de chegar ao mercado gospel após uma carreira de relativo sucesso no meio secular. Convertido, convicto de que deveria abandonar a carreira de músicos e compositor secular, com sua vida restaurada, inclusive familiar, aquele cantor me procurou pedindo uma chance de ingressar em nosso cast. Com certo cuidado havia me confidenciado que havia gravado o CD com o patrocínio de seu pastor e que naquele momento precisaria saldar aquela dívida. Como senti paz na conversa e após muitas conversas e análises, resolvi contratá-lo para a gravadora. Passaram-se alguns anos, a carreira dele foi evoluindo, suas músicas passaram a ser cantadas nas igrejas, mas tudo muito devagar … até que num dia fui chamado para a sala de nosso diretor financeiro para analisar os projetos de alguns artistas de nosso cast… um a um os artistas foram sendo avaliados até que chegamos ao artista em questão. Pela opinião do financeiro, deveríamos dispensá-lo sumariamente … refutei a ideia, conversamos, expusemos nossos pontos de vista … até que convenci-o a dar mais uma chance para aquele cantor. Encurtando a história, no trabalho seguinte, o cantor estourou uma canção nas paradas detodas as rádios evangélicas e tornou-se o maior vendedor de discos daquele período, inclusive recuperando financeiramente aquela gravadora.

 

É importante deixar claro que nenhuma gravadora sozinha garante o sucesso de um artista. De igual modo, nenhum artista consegue alcançar todos os seus objetivos trabalhando de forma independente à sua gravadora. O sucesso é uma soma de diversos fatores e no caso da música gospel, de um fator ainda mais inexplicável, a vontade divina. Somente na soma destes 3 fatores poderemos ter uma maior chance de conquistar o sucesso no meio gospel, a saber: uma gravadora focada, com uma equipe de profissionais gabaritados, um artista pró-ativo, entendedor do novo conceito do cenário artístico musical e a bênção de Deus cuidando de todo o projeto. Não há gravadora que consiga o milagre de fazer um artista de sucesso sem que este esteja ali, trabalhandolado a lado com a empresa. Da mesma forma, um artista que se diz cristão mas que não segue os preceitos bíblicos, não dá bom testemunho ou que sequer mantém uma relação íntima com Deus, as chances de ter uma carreira pródiga são tãosignificativas como as chances do Ibis (considerado o pior time do mundo) de alcançar o Mundial de Clubes no Japão.

Atenção querido artista, se você está satisfeito com sua gravadora, mantenha-se nela. Se você crê que ela contribui positivamente para seu desenvolvimento artístico, permaneça firme nessa parceria. Se você crê que pode crescer muito mais em um novo ambiente com uma nova visão e postura, não tenha medo das mudanças. O importante é que independente da decisão esta seja tomada de acordo com a vontade de Deus, pois Ele e somente Ele é quem deve guiar todos os nossos passos e somente dEle depende nossa vida, nosso sucesso. Creia nisso!

Antes de finalizar este texto, quero parabenizar o amigo Alex Passos pelo projeto “Creio” do Diante do Trono. Tive oportunidade de assistir a algumas cenas do projeto e fiquei maravilhado com tudo que vi. Fica aí mais uma boa sugestão de presente para o fim de ano. Divirtam-se!

Mauricio Soares, publicitário, jornalista, consultor, alguém que espera ansiosamentepela chegada das férias para poder tirar alguns dias de descanso, até mesmo do Observatório Cristão. Contando os dias ..

Mauricio Soares, publicitário, jornalista, observador, caixeiro-viajante que morre de saudades de casa, atuando no mercado gospel há alguns anos e confiante de que em algum dia as coisas ficarão mais fáceis para todos nós que militam nestesegmento.

Deixe uma resposta