Home Maurício Soares PRECISO DESENHAR OU VAI ENTENDER AGORA?

PRECISO DESENHAR OU VAI ENTENDER AGORA?

0 524

Respirando fundo para enfrentar o computador e escrever um texto inédito para o blog após alguns meses de absoluto silêncio. E não vou colocar culpa na minha agenda, nos meus compromissos, na falta de assuntos … não! Nada disso! Simplesmente não tive a menor vontade de escrever algo que merecesse a atenção dos nossos seletos e abnegados 69 leitores. Entrei num estado de ‘falta de vontade absoluta’ de escrever e resolvi respeitar-me, afinal, sempre disse que o hábito de atualizar os textos do Observatório Cristão deveria ser algo agradável, saudável, leve e descompromissado. Jamais preocupei-me em manter uma rotina, em ter textos em sequência ou com manchetes sensacionalistas para captar uma audiência. E justamente por manter-me fiel à tradição, fiquei estes tantos meses sem qualquer novidade por aqui.

Tudo caminhava numa inércia baianesca até que um fato despertou em mim a vontade de voltar a escrever e expor minha ideias, conceitos e conteúdos. Estava eu trabalhando em São Paulo por uns dias quando recebo por meu whatsapp o link de um vídeo. O amigo que enviara o material me questionava se já havia assistido aquele material … e de pronto respondi que até aquele momento não tinha conferido aquele conteúdo. Horas depois parei minhas atividades e dediquei-me a conferir que tal link seria aquele e, a partir desta experiência, uma série de acontecimentos se sucederam e culminaram neste momento de voltar a escrever para o blog.

O famigerado vídeo continha uma teoria conspiratória no melhor estilo Fake News de que um grande movimento estava sendo orquestrado contra a família brasileira, os artistas de música cristã, as gravadoras evangélicas nacionais e as liberdades individuais. Toda esta conspiração tinha como pano de fundo a extinção dos CDs num plano mirabolante de dominação das mentes e corações, algo do tipo Pink e Cérebro. Sinceramente, nem vou me alongar tentando explicar o conteúdo deste vídeo porque o assisti como se estivesse diante de um quadro do Zorra Total, Casseta e Planeta ou algo do tipo, tamanha a quantidade de asneiras e non sense presentes a cada frame daquele material. Em determinado momento, este vídeo colocou na conta das gravadoras multinacionais todo o processo de dominação e elencou um líder máximo, alguém à frente deste processo, a quem o autor do vídeo gentilmente chama de Pablo Escobar (que por sinal, considerei uma tremenda falta de respeito esta comparação). Um doce para quem descobrir a quem esse autor do vídeo se referia.

Vamos nos ater aos fatos. O mercado da música no mundo vem passando por transformações nos últimos anos e vive o seu melhor período em mais de 2 décadas com crescimento no consumo em todos os continentes do planeta. No Brasil, a indústria da música cresceu 17,9% em receita contra 8% no mundo, ou seja, estamos diante de um mercado que cresceu mais do que o dobro da média mundial. As vendas digitais cresceram no Brasil 46% contra 19% no mercado mundial. Esta é uma tendência irreversível e absolutamente comemorada pela indústria e todos os diversos atores que atuam neste mercado, sejam compositores, produtores, artistas e músicos.

A produção musical assumiu um ritmo alucinante com lançamentos aos borbotões de novos conteúdos a cada semana. Estima-se que por semana mais de 20 mil conteúdos inéditos são lançados nas plataformas digitais pelo mundo. Nunca se trabalhou tanto na indústria da música. Nunca surgiram tantos novos nomes no cenário da música. Nunca tantos estilos tiveram espaço na atenção do público consumidor. E, certamente, nunca se ganhou tanto dinheiro no segmento da música. Tudo indica que até 2020, a indústria fonográfica irá superar todos os recordes históricos de faturamento até seu início. A isto chamamos de transformação!

Um dos argumentos deste vídeo mencionado era de que o CD tinha capacidade de alcançar vidas. Geralmente quando se apela a questões espirituais para justificar qualquer coisa no âmbito racional é porque os argumentos são fracos. E neste caso, não há dúvida alguma sobre isso. Os argumentos são dignos de uma criança de 5 anos … Mas OK, se estamos falando de alcance então o mercado digital é avassalador. Basta dizer que o alcance da música pelas plataformas digitais é global, ou seja, se antes o CD chegava a mercados bem restritos onde os canais de distribuição alcançavam poucas pessoas, hoje em dia, em frações de milésimos de segundos, todo o planeta tem acesso aos conteúdos. Além da velocidade, destaque-se que esta é uma operação democrática do ponto de vista econômico, afinal existem várias plataformas com modalidade de consumo gratuita. Não me recordo de ter artista ou gravadora ‘evangelizando’ através da cessão de CDs gratuitos por aí … pelo menos, em 30 anos de mercado, nunca vivenciei esta experiência.

A expectativa é de que em pouco tempo, milhões de brasileiros cristãos, estejam inseridos no ambiente digital das plataformas de áudio streaming. Neste momento creio que nem 5% do público evangélico no Brasil seja consumidor de música pelos aplicativos de áudio streaming. Quando esta soma chegar a 20% do público, a expectativa é de que tenhamos resultados incríveis e que a música gospel atinja patamares inimagináveis até então. Ou seja, em vez de se combater a tecnologia, aqueles que vivem do mercado da música devem se engajar o quanto antes para agilizar ao máximo esta transição de formatos e modelos de consumo.

Quando paramos para analisar diversos setores de consumo, observamos que as mudanças tecnológicas trouxeram transformações profundas, mas não necessariamente dolosas, simplesmente transformações. Levemos em conta o que aconteceu com a indústria da fotografia. Antes o processo de se fotografar era algo absurdamente demorado (não tenho tenho tempo para levar os filmes pra revelar!), aborrecido (Aiiii que fotos horrorosas!) , surpreendente (quantas fotos saíram?) e custoso (como era caro revelar um filme de 48 poses!). Aí vieram as máquinas digitais … e o mercado da fotografia viveu o primeiro momento de transformação …. hoje estas máquinas foram substituídas pelas câmeras potentes, filtros e tecnologias de um simples smartfone … ou seja, nunca se fotografou tanto no mundo! E as redes sociais foram inundadas pela fotografia! Assim como nunca se viajou tanto! O turismo foi incrementado pela facilidade que o consumidor tem de pesquisar destinos, preços, hospedagens e roteiros. E quando falamos no transporte pessoal? O Uber e tantos outros aplicativos similares trouxeram uma nova opção para quem deseja se deslocar. Enfim, posso listar uma série de transformações que a tecnologia trouxe para ampliar o alcance, provocar mudanças comportamentais e de consumo. Somente quem vive (e pensa) na Idade das Trevas para acreditar que ainda há espaço para o consumo de música através de produtos físicos.

A palavra do momento é RESET !!!!! Reveja seus conceitos, suas atitudes, hábitos e expectativas. O mundo segue em plena transformação, você concordando ou não. Relaxa e aceita que é melhor!

Em tempo, não adianta procurar pelo vídeo na web … ele foi devidamente retirado pelo autor. Acho que a ficha caiu … que por sinal, é um ditado bastante analógico e retrô … viva o novo! Viva o digital! Viva o presente!

Mauricio Soares, alguém que acredita na inovação, que trabalha muito, que não tem paciência pra mimimi, publicitário, jornalista e palestrante