Preparando-se para o vestibular da carreira artística

Meu filho primogênito está prestes a completar 15 anos e acaba de entrar no segundo grau na escola. Já no primeiro dia de aula ele falou comigo sobre vestibular, ENEM e outras siglas e projetos que confesso não entender muito bem a dinâmica. Certamente terei que dedicar algumas horas para entender melhor como funciona esse processo de se alcançar o ensino superior. Na minha época de vestibulando tínhamos apenas as provas do Cesgranrio e de algumas universidades federais com processos de seleção individualizada. Naquela época não tinha cota racial, cota social, cota política, cota GLS, cota sem-terra, cota refugiado de guerra e outras invenções deste governo falsamente socialista, que na verdade apenas reconhece sua incompetência em dar educação de qualidade no ensino básico e resolve através de decretos e leis populistas dar acesso a estudantes muitas das vezes completamente despreparados. Mas este post não será dedicado a discutir política educacional e nem mesmo questões políticas. Apenas quero pegar este gancho para comentar sobre a importância de nos prepararmos melhor para os vestibulares que enfrentamos cotidianamente, especialmente no meio artístico.

Recebo por semana cerca de 15 a 20 CDs, alguns DVDs e algo em torno de 30 a 50 mensagens pelo Facebook, Twitter, Instagram, entre outros canais. Há muita coisa boa entre estes materiais, sem dúvida! Na verdade fico muito feliz em ver que a música gospel vem melhorando em qualidade ano a ano. Tanto do ponto de vista musical como da parte gráfica, a melhoria da qualidade dos produtos em nosso segmento é visível e notória. No entanto, como qualquer segmento na área artística gospel há profissionais focados, dedicados, talentosos, gente realmente preparada e uma quantidade absurda de pessoas apenas esforçadas, outros tantos sem qualquer talento, sem o mínimo de bagagem cultural ou mesmo bom senso para perceberem o quanto são motivos de ‘vergonha alheia’ no grau máximo.

Uma das questões que não consigo aceitar lidando com artistas nos meus últimos 20 anos de vida é a capacidade que muitos possuem em acreditar que o talento por si só já basta! Essa é uma das maiores balelas que um profissional em qualquer área pode crer, mas especialmente no meio artístico em que as tendências, novidades, estilos, sonoridades e tudo mais se transformam na velocidade da luz, é frustrante perceber como tem artista que segue firme crendo nesta retumbante mentira!

Especialmente no nosso meio ainda temos que lidar com mais uma situação bem peculiar que é a questão espiritual, onde costuma-se colocar na conta do Todo Poderoso a obrigação pela condução vitoriosa do projeto. Em suma, o rapazinho não canta nada! Não toca nada! Não estuda nada! E por achar que está diante de um trabalho espiritual, ministerial, Deus tem que fazer milagres e cuidar de tudo! É óbvio que Deus age, que Ele escolhe alguns e literalmente abre oceanos para que mesmo artistas sem muita razão ou lógica do ponto de vista racional alcancem vôos altíssimos, mas não tendo você esta predileção divina, então o que se deve fazer é justamente arregaçar as mangas e trabalhar, trabalhar muito!

E o que é trabalhar do ponto de vista da preparação para um artista? Hoje em dia através da web temos acesso ao que está sendo produzido artisticamente tanto na Islândia como na Suécia, Irlanda, Alemanha, no Alabama ou em Tocantins. Pela internet descobrimos novos nomes, sonoridades, arranjos, estilos e performances que podem contribuir muito pelo desenvolvimento artístico de todos nós. Neste momento, o som do sul dos EUA com sua pegada folk está bastante em alta. A música eletrônica tem muita vitalidade na Europa, especialmente na Alemanha. O rock inglês merece sempre especial atenção e é pesquisa indispensável pra quem curte o estilo. Goiás e Cuiabá continuam se destacando na seara sertaneja e seguem firmes e fortes como pólo de influência para estes ritmos. Outra região rica em estilos e modismos, o Nordeste segue se reinventando, mesmo que em algumas das vezes com movimentos não muito ricos em qualidade, como o recente ‘sofrência’ que pelo próprio nome já diz não nos traz grandes expectativas artísticas. Então em vez de passar horas e horas conferindo as curtidas de seus posts e fotos, invista seu tempo pesquisando por novas referencias. Tenho certeza de que é algo muito mais produtivo e interessante!

Outra forma de se crescer artisticamente é justamente dedicar um tempo para assistir in loco a shows e apresentações. Se você é daquele artista que só vai para shows se for o seu próprio (alguns nem para os seus vão! rs), então é bom que mude este hábito urgentemente. A troca de referencias e informação é fundamental para o crescimento pessoal e profissional. No caso de artistas, isso é vital! Particularmente tenho muitos insights em meio a shows, viagens, deslocamentos e até mesmo bate papos descompromissados. É fundamental que estejamos sempre abertos a novas experiências e isso é praticamente impossível entre 4 paredes no conforto de uma poltrona e ar condicionado.

Já escrevi aqui no blog sobre a importância da leitura. Me assusta quando converso com pessoas sobre assuntos que não sejam diretamente ligados ao seu dia a dia e percebo a mais absoluta falta de conhecimento. Muitos anos atrás havia uma propaganda na TV, senão me engano do jornal O Estadão, onde o bordão era: “Tá faltando assunto, leia o Estadão!” Nesta propaganda sempre havia uma pessoa bem informada tentando conversar com a outra que não lia o jornal. O papo simplesmente não fluía e estava recheada de lugares comuns e opiniões genéricas. Adaptando à nossa realidade, esta falta de leitura fica evidente ao nos depararmos com certas ministrações completamente vazias, cheias de bordões, palavras de auto-ajuda, muita gritaria e o indefectível “Quem tá feliz com Jesus diz amém!” – com todo o respeito, mas isso é de uma pobreza tão grande que pra mim apenas evidencia que o ministro de louvor todo pimpão com gel no cabelo e camisa Dudalina apertadinha está neglicenciando a leitura e principalmente, neste caso, da Bíblia. Quer ser um artista melhor? Leia a Bíblia, adicione literatura evangélica de qualidade e estude temas mais devocionais e teológicos. Para oferecer conteúdo aos outros, antes de mais nada você precisa estar cheio, entendeu?

Nos longínquos tempos em que fui diretor de marketing na Line Records investimos numa artista que até então sequer havia gravado um disco. Colocamos a jovem num estúdio e gravamos seu primeiro projeto. O primeiro projeto não foi como o esperado, as vendas não foram tão grandes como imaginávamos mas mesmo assim, tempos depois, gravamos um segundo trabalho e este sim, alcançou excelentes resultados com mais de 200 mil cópias vendidas (bons tempos aqueles!). Durante um papo com a jovem cantora expus a necessidade dela buscar aprimoramento técnico ao seu talento. Entendia que mesmo com uma voz belíssima e já alcançando certa relevância no mercado, aquela jovem deveria estudar, se aprimorar para ter uma performance ainda melhor. Com uma sinceridade desconcertante, a jovem cantora olhou pra mim e respondeu com a maior calma: “Ah, eu não preciso estudar! Meu talento é natural … se melhorar estraga!” Imaginem minha reação!?!?! Até hoje essa imagem vem à minha mente …

Em suma, hoje em dia não há desculpas para manter-se alheio às novidades e tendências do mercado. A informação está ao alcance de todos e as oportunidades de crescimento idem. Não baseie-se apenas no seu talento natural ou transfira responsabilidades pessoais para o terreno espiritual. Cada qual tem sua cota de responsabilidade! Busque o aprimoramento sempre!

Mãos à obra!

Mauricio Soares, publicitário, jornalista e nestes dias em pleno gozo de férias. Espero que nestes dias consiga recuperar o pique de produção de textos para que a audiência de nosso blog volte com tudo!

Mauricio Soares, publicitário, jornalista, observador, caixeiro-viajante que morre de saudades de casa, atuando no mercado gospel há alguns anos e confiante de que em algum dia as coisas ficarão mais fáceis para todos nós que militam nestesegmento.

One Comment

Deixe uma resposta