Vagas abertas para Manager de Artistas Gospel – Preparem-se!

Dias atrás participei de um evento promovido pela Editora Espetáculo, o Expo Show Business que reuniu profissionais do mercado fonográfico nas mais diversas áreas para 2 dias de intensos debates, conversas, reencontros e workshops.

Já no segundo dia participei de uma mesa de debates sobre o mercado religioso com mediação de Mônica Cintra, publisher da revista Show Gospel. Foi interessante perceber o interesse de promotores de eventos e outros profissionais neste mercado que vem crescendo e tornando-se cada vez mais relevante na indústria fonográfica.

Já à noite, voltei ao Teatro Banespa para participar da segunda parte do evento naquele dia: a noite de premiação aos empresários que atuam diretamente no show business. Foi uma premiação bastante longa com mais de 130 premiados, alguns rápidos discursos, muitos flashes e uma constelação de profissionais. Ali conheci empresários de artistas do primeiro time como Bruno & Marrone, Frejat, Victor e Leo, Kid Abelha, só para citar alguns.

Lá pelo fim da lista, fui chamado ao palco para receber meu prêmio. Confesso que fiquei meio deslocado no meio de tanta gente do cenário artístico empresarial, afinal sou um A&R e não um manager, mas enfim, creio que a organização do evento quis incluir alguém para representar o meio gospel e na falta de uma pessoa conhecida, acabaram me premiando com representante da classe.

Antes de subir ao palco para receber meu prêmio, sozinho, fiquei pensando se deveria fazer um pequeno discurso ou simplesmente subir, sorrir, pegar meu prêmio, fotografar e sumir (…) Fiquei pensando o que deveria falar para aquela platéia de tantos profissionais da área de shows, gente com 30, 40 anos de show business. Pra encurtar esta história, já adianto que não fiz discurso algum, apenas subi ao palco para receber meu prêmio e segui de volta ao meu assento, mas imagino que se tivesse falado alguma coisa, eu deveria dizer àqueles profissionais o quanto o mercado de música religiosa tem crescido e de como estamos carentes de managers de qualidade!

Ao ver Lecy Brandão subir ao palco e tecer loas ao seu empresário, de como ela mantém uma relação de amizade e companheirismo por mais de 15 anos com seu manager, fiquei imaginando como isso é raro no meio gospel tupiniquim. Gente como Roberta Miranda, que no dia de seu próprio aniversário, fez questão de participar do evento para agradecer sua empresária pela forma como ela conduz sua carreira ou as Irmãs Galvão que há mais de 40 anos mantêm contato com o mesmo escritório artístico (…) todos estes depoimentos apenas me reforçaram a idéia de como ainda precisamos da participação profissional de managers no meio gospel.

E o que é ou o que faz verdadeiramente um manager profissional? Primeiro, vamos ao que não é função de um manager e depois daremos algumas atribuições desta profissão.

1)     Manager não é babá, psicólogo, contador de histórias ou mecenas! – não confundir todas estas profissões e atribuições com o dia a dia de um profissional do show business. Apesar de todas estas funções estarem reunidas no cotidiano de um manager, nenhuma destas atribuições devem ser determinantes.

2)     Manager não é um simples organizador de agendas, cobrador, produtor de palco, leão de chácara, segurança – a função de um manager é muito mais do que uma pessoa que atende o telefone, confere a disponibilidade da agenda, trata dos shows e todos os seus detalhes com o contratante, atua como pára-raios ou mesmo cordão de isolamento para o artista.

No meio gospel,  o manager é, em sua grande maioria, o similar ao secretário-faz-tudo do artista. Muitas das vezes também é aquele que somente atende telefones e que negocia a agenda do artista. Confesso que raríssimos são os artistas do meio gospel que possuem um manager de verdade. E talvez seja esse um dos grandes empecilhos para uma maior profissionalização e o alcance de maiores resultados artísticos da música gospel, em especial, na área de shows e eventos.

Apenas para ilustrar a importância de um manager na vida de um artista, na recente história do mercado fonográfico, uma determinada artista sertaneja estourou nas paradas de sucesso e alcançou marcas expressivas de vendas. Além do talento e do carisma da artista, uma outra questão foi determinante para o seu sucesso: o investimento de mais de 2 milhões de reais de seu empresário na divulgação do projeto.

Com o sucesso da artista, o empresário já recuperou com enorme folga esse seu investimento aparentemente monstruoso. Mas é isso o que está faltando no meio gospel! Falta empresários com visão para investir em artistas de talento no meio gospel. E aí reside uma enorme oportunidade para o mercado! Há uma demanda considerável de managers no meio artístico gospel! Mas esta oportunidade não deve ser tratada como uma diversificação do negócio em si porque traz uma série de ajustes e adaptações à cultura evangélica.

Há espaço para profissionais do show business no meio gospel? Sim, há! No entanto, estes profissionais precisam se cercar de pessoas, consultores, produtores que entendam a cultura evangélica. Assim como no meio fonográfico, as gravadoras estão buscando por profissionais do mercado gospel, também na área de show business é fundamental essa mescla entre profissionais do mercado com profissionais do meio gospel. Somente com essa sinergia entre as duas áreas poderemos alcançar resultados positivos no menor espaço de tempo.

Participando da Expo Show Business, vi o interesse de grandes empresários em entender melhor esse nicho. Acho que poderemos ter novidades nesta área nos próximos meses. Já para os atuais managers evangélicos, sugiro que procurem o máximo de aprendizado, desenvolvimento profissional e conhecimento. Sem dúvida, esta expertise será bastante valorizada daqui em diante nos próximos anos.

 

Mauricio Soares, publicitário, jornalista, palestrante, observador atento das novidades do meio fonográfico e da área de entretenimento. 

Mauricio Soares, publicitário, jornalista, observador, caixeiro-viajante que morre de saudades de casa, atuando no mercado gospel há alguns anos e confiante de que em algum dia as coisas ficarão mais fáceis para todos nós que militam nestesegmento.

Deixe uma resposta