Home Observatório Cristão Voltando à ativa

Voltando à ativa

2 1182

Estava revendo alguns textos bem antigos publicados por aqui no Observatório Cristão e é bastante interessante constatar as mudanças ao longo destes últimos quase 9 anos de existência do blog. Algumas das dicas e análises que fizemos lá pelos idos de 2009 ou alguns anos à frente, soam hoje como informações paleolíticas, completamente defasadas, fora de contexto … ou seja, hoje são apenas instantâneos, fotos de um passado que aparentemente soam como longínquos mas que na verdade distam apenas alguns poucos anos.

As mudanças que vivenciamos e ainda convivemos neste momento atual são enormes, profundas e intensas. O que era importante alguns anos atrás, hoje soa como obsoleto ou desnecessário. O que antes sequer existia, hoje é fundamental, primordial, essencial. O mundo do entretenimento sofreu transformações radicais. O mercado fonográfico se reinventou e ganhou novos ares absolutamente alvissareiros, afinal durante mais de 20 anos a indústria da música em todo o mundo conviveu com o cataclisma da pirataria física, depois com a pirataria digital que assolou o mercado, provocou rupturas gigantescas, quebrou um monte de gravadoras, encerrou projetos. Especialmente neste período a indústria da música conviveu com o aposto, mercado em declínio, sempre citado em 10 de cada dez matérias publicadas na imprensa alusivas às gravadoras. E aí, eis que depois de anos e anos de queda, o mercado fonográfico voltou a crescer a partir de 2015, seguiu em alta em 2016 e certamente tem prognósticos muito positivos pelos anos seguintes.

Sempre gosto de citar que até alguns anos, no Brasil tínhamos cerca de 2 mil pontos de venda de discos no mercado gospel, entre livrarias, igrejas, sites, distribuidores, lojas de conveniência. Boa parte destas lojas encontravam-se nos grandes centros do país como Rio de Janeiro ou São Paulo. Em cidades do interior do país, encontrar uma loja com produtos evangélicos era um trabalho digno de um Indiana Jones, tamanha falta de opções. Pois bem, com as plataformas digitais, o mercado da música passa a contar não mais com poucos milhares de canais de consumo de música e sim com mais de 250 milhões de aparelhos celulares, outros tantos milhões de computadores com acesso à internet de qualidade, enfim, o consumo da música tornou-se global, democrático, portátil e muito mais ágil, afinal não se demoram dias até que o álbum chegue em rincões do sul ou norte do país, bastou que o conteúdo seja postado em alguma plataforma de audio ou video streaming para que imediatamente esteja disponível em todo o planeta.

Em minhas leituras do blog, deparei-me com um texto que listava algumas atitudes que certamente levariam o artista a ser um retumbante fracasso. O texto em questão era “Dicas Infalíveis para seu inSucesso” e ali eu dissecava sobre as várias atitudes que garantiriam ao artista-suicida um resultado catastrófico. Recentemente um jovem cantor me perguntou insistentemente sobre as 10 dicas para o sucesso e eu respondi-lhe muito tranquilamente que poderia listar várias atitudes que poderiam, juntas, transformar um projeto qualquer em sucesso, mas frisei que nem mesmo fazendo todas estas ações da melhor forma possível, eu teria condições de garantir o sucesso. O sucesso é intangível! Não se baseia em fórmulas! Mas é óbvio que algumas atitudes podem colaborar para uma melhor performance. De forma bem simples e direta resolvi elencar algumas dicas para os nossos 69 assíduos leitores do blog.

Em primeiro lugar, é importante que o artista entenda que a forma de pensar, agir e planejar hoje é completamente diferente de anos atrás. Não adianta se basear no sucesso de artistas que militavam na cena musical na década de 90 porque efetivamente hoje, nada do que eles fizeram no passado se aplicará nos dias atuais. Então, é fundamental trocar o ‘chip’ físico, analógico, pelo novo, digital.

E com isso, muita coisa muda também. Sai a necessidade de se apresentar ao mercado com um álbum completo de 14 faixas. Agora o artista precisa de uma única canção, também conhecido como “Single” ou um punhado de músicas, 3 ou até 5 faixas, o que chamamos de EP. A necessidade da versão em vídeo aumenta significativamente. Se antigamente o artista ou gravadora lançavam um clipe “da música de trabalho” apenas após meses e meses de lançamento do álbum, hoje em dia, o lançamento do Single é simultâneo à disponibilização de sua versão em vídeo. E, em muitos dos casos, a finalização do clipe irá inclusive determinar o melhor momento de lançamento da música. Ou seja, lançar uma canção sem vídeo é como comer macarrão sem molho … entendeu?

Entendendo que tudo é novo, partimos para as ações. O artista precisa ser usuário das plataformas de audio streaming. Não importa se você é habitué de novas tecnologias ou não, porque se você é do ramo da música e das artes, ter uma assinatura do Spotify, Deezer ou Apple Music, não é questão de luxo, mas de sobrevivência. Procure se tornar íntimo da plataforma de audio streaming de seu gosto assim como o Facebook ou o Instagram eram coisas que você não tinha intimidade alguma e tornaram-se tão próximos e vitais a ponto de você sofrer de crises de abstinência pela distância. Crie suas playlists. Conheça as ferramentas. Ambiente-se com as novidades. Confesso que hoje não consigo sequer me relacionar com um CD sabendo que aquele mesmo conteúdo está disponível na minha plataforma preferida.

É fundamental que o artista tenha uma assessoria de marketing digital. Antigamente (3 anos atrás) eu tinha muita dificuldade em indicar profissionais ou empresas de marketing digital para os artistas de nosso cast. Eram caros demais ou eram baratos demais e prestavam serviços de quinta categoria. Durante um bom tempo limitei-me a indicar uma única empresa. Só que hoje em dia esta situação mudou, para alívio dos artistas e da própria gravadora que hoje consegue desenvolver projetos e campanhas em parceria com as assessorias dos artistas. Felizmente já tenho entre 5 a 8 empresas para indicar nesta área, cada qual com uma performance, preço de investimento e foco muito distinto.

Semanalmente recebo 10, 15 contatos de artistas querendo ingressar no cast de nossa empresa. Especialmente neste momento em que as gravadoras desenvolvem seus labels digitais como incubadoras de jovens artistas, a demanda de artistas é enorme. E confesso que mesmo artistas de reconhecido talento e até com algum nome no mercado, quando nos procuram e estes não possuem uma mínima estrutura de marketing digital por detrás, o interesse da gravadora praticamente é desfeito. Em contrapartida, se um artista chega na gravadora para apresentar seu projeto e já vem acompanhado de números digitais relevantes e de uma assessoria de marketing digital, o tratamento é completamente outro. Fique ligado nesta questão!

Outra atitude importante é o artista ser intenso nas redes sociais divulgando não aquele prato de camarão internacional do Coco Bambu (olha o merchan aí pessoal!) na orla de Fortaleza, mas sua agenda e principalmente suas canções e conteúdos nas plataformas de audio streaming. Se até bem pouco atrás os artistas concorriam entre si para ver quem tinha maior número de seguidores na fanpage, Instagram ou Twitter, hoje em dia o importante é buscar aumentar o número de seguidores nas plataformas de video e audio. É inconcebível um artista de 3 milhões de seguidores no Facebook e minguados 10 mil seguidores no seu canal oficial de vídeos. Desastre total! Ou o artista ter 500 mil seguidores no Twitter e seus vídeos não passarem de 1 milhão de visualizações e suas playlists sequer terem seguidores ou uma quantidade consistente de streamings. Que fique bem claro! O que importa são os números de visualizações de vídeos e o número de vezes que as pessoas ouvirão suas músicas nas plataformas como Spotify, Deezer e AppleMusic. Agora é a hora dos milhões de acessos, em contraponto aos milhares de discos … compreende?

No momento vou parando por aqui. Espero retornar com conteúdo inédito nos próximos dias. O exercício de escrever no blog deve ser natural, mas de vez em quando preciso dar uma ‘forçada’ como fiz hoje após semanas de ócio criativo. Espero que a criatividade chegue com força em breve. Obrigado por sua companhia.

Mauricio Soares, sobrevivente do mercado fonográfico e gospel completando 28 anos de atuação no segmento. Um verdadeiro Highlander …jornalista, publicitário, consultor, palestrante e tricolor!

  • Marcelo Bastos

    muito bommm!!!

  • Fábio Nunes

    Que excelente análise! Muito obrigado por compartilhar suas percepções e conhecimentos aqui conosco! Irei ler todos os textos agora…Fui!